Negócios

16/08/2018

Chocolândia: de bomboniere a rede de supermercados

Fundador da empresa, Osvaldo Nunes, conta que ministrar aulas de culinária intensificou o crescimento da confeitaria

Chocolândia: de bomboniere a rede de supermercados

Fundador da Chocolândia, Osvaldo Nunes diz que estratégia da empresa foi atender aos pedidos do mercado
(Arte/Tutu)

De bomboniere a uma rede de supermercados, a Chocolândia aproveitou as transformações do varejo para crescer e se tornar campeã de vendas de chocolates no Brasil.

Fundada em 1984, a confeitaria começou como um pequeno estabelecimento de 120 metros quadrados, cujo principal produto, entre outras guloseimas, era o chocolate em barra.

Veja também
Estratégia multicanal da Polishop atrai novo consumidor
Nutty Bavarian se reinventa no Brasil e projeta expansão europeia
Estrella Galicia se estabelece no Brasil com aumento do interesse por cerveja premium

O fundador e presidente da Chocolândia, Osvaldo Nunes, conta que o que intensificou o crescimento da empresa foi ensinar os clientes a preparar receitas. “Resolvemos fazer a primeira sala de aula para ensinar pessoas a cozinhar e a empreender. Isso se tornou algo de imenso valor social”, diz Nunes. “Descobrimos que, além de colocar pessoas no mercado, estávamos alimentando o nosso próprio negócio. E essa foi a primeira grande transformação da Chocolândia”, completa.

Ouvir os alunos do Centro Culinário motivou a ampliação da oferta de alimentos da loja. Isso porque, após a conclusão das aulas, os alunos se tornavam consumidores que queriam adquirir os itens com os quais trabalhavam nos cursos. “A partir daí, começamos a atender ao pedido do mercado. As pessoas vinham, faziam aulas e diziam: ‘Usamos leite condensado, creme de leite e noz-mariposa, mas não tem para vender?’. Então, fomos colocando [mais produtos]”, explica Nunes.

Atualmente, com seis lojas na região metropolitana de São Paulo, a rede comercializa 28 mil itens, conta com 600 fornecedores e atua em 14 departamentos, como papelaria, laticínios, padaria, hortifrúti e perfumaria. As vendas de chocolates representam 55% do faturamento. O Centro de Culinária funciona de segunda a domingo e forma aproximadamente 8 mil alunos por mês.

“O varejo é bastante dinâmico, muda a cada 5 minutos”, comenta Nunes. “As transformações da loja foram inúmeras.”

Saiba mais sobre a Chocolândia no vídeo a seguir: