Economia

22/12/2017

Em alta, Bolsa deve continuar como boa opção de investimento em 2018

Após valorização de 39% em 2016, Ibovespa deve fechar este ano com alta de 23%, superando dólar e CDI

Em alta, Bolsa deve continuar como boa opção de investimento em 2018

Perspectiva para 2018 é de que as ações e o Ibovespa continuem se valorizando
(Arte/Tutu)

Embora ainda não se tenha os resultados finais deste ano para as aplicações em dólar, ações e CDI (Certificado de Depósito Interbancário), já é possível identificar quais investimentos se saíram melhor no decorrer de 2017.

Após anos em que a renda fixa se mostrou como a aplicação financeira mais vantajosa, os melhores investimentos, pelo segundo ano consecutivo, foram os que aproveitaram a valorização da Bolsa. O Ibovespa – principal índice da B3, a Bolsa de Valores brasileira – deve terminar o ano com alta de 23%, depois de ter registrado valorização de 39% em 2016.

Veja também
Brasil supera a crise e 2018 deve consolidar retomada da economia, com elevação de 3% do PIB e inflação dentro da meta
Sem privatizações, País mantém estatais deficitárias e ineficientes
Investidor preocupado com eleições de 2018 pode assumir postura conservadora

A estimativa para o dólar, após ter caído quase 18% no ano passado, é que fique praticamente estável. O CDI, que se trata de um título de renda fixa, rendeu 10% neste ano, pouco abaixo da alta de 14% registrada em 2016.

Confira um resumo das três modalidades de investimentos:

economix_dezembro_17_bolsa_dolar_cdi_

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a expectativa para 2018, mesmo sendo um ano eleitoral, é positiva, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), queda de juros, inflação contida e recuperação do mercado de trabalho.

A possibilidade de aprovação da Reforma da Previdência no começo do ano que vem deve consolidar esse cenário otimista, proporcionando que o País cresça em torno de 3% a 3,5%.

Diante desse hipotético cenário, investir em renda variável (ações ou papéis atrelados ao Ibovespa) se mostra como uma boa opção. Com os juros abaixo de 7%, inflação ao redor de 3,5%, crescimento econômico e perspectivas de manutenção da atual política econômica, além dos efeitos das reformas, a tendência é de que as empresas se valorizem, assim como os ativos reais (imóveis) ao longo de 2018.

É comum o cenário eleitoral causar algum impacto sobre os mercados, mas a probabilidade de um ambiente econômico razoavelmente tranquilo e dentro da normalidade institucional deve se sobressair e garantir que, mesmo com alguns momentos mais incertos, a racionalidade prevaleça.

Ainda há bom espaço para valorização das ações e de outros ativos reais, que devem se beneficiar da redução dos juros e do crescimento da economia no decorrer de 2018.