Economia

01/12/2017

Em quase cem anos, o ICC criou uma “expertise” em processos para o comércio global, diz Daniel Feffer

Presidente do ICC Brasil e fundador da Intelligent Tech & Trade Initiative (ITTI), Daniel Feffer, fala do papel da instituição no desenvolvimento do comércio internacional

Em quase cem anos, o ICC criou uma “expertise” em processos para o comércio global, diz Daniel Feffer

“Nós podemos usar a experiência dos negócios privados levando para as práticas governamentais”, explica Feffer
(Foto:TUTU)

Desde janeiro deste ano, a Câmara de Comércio Internacional, também conhecida como “ICC Brasil”, passou a ser membro da Organização das Nações Unidas (ONU). O assento, concedido pela primeira vez a uma instituição empresarial, oferece possibilidades para a entidade levar suas atividades para um nível importante da expansão global, segundo diz o presidente do ICC Brasil e fundador da Intelligent Tech & Trade Initiative (ITTI), Daniel Feffer, em entrevista ao UM BRASIL.

Em conversa com Humberto Dantas, Feffer relembra a criação da ICC depois da Primeira Guerra Mundial com o objetivo de levar prosperidade por meio do desenvolvimento do comércio e analisa as conquistas do instituto.

“Foi-se criando ao longo das décadas uma expertise em processos. A carta de crédito foi criada pelo ICC. O que seria do comércio global sem a carta de crédito? Inimaginável! Um documento que estabelece a confiança entre as partes.”

Veja também:
Crise econômica não impedirá investimentos chineses no Brasil, diz Yuning Gao
Daniel Bell discute meritocracia e experimentalismo chineses
Ying Lowrey discute inclusão digital e empreendedorismo de base

A ICC está presente em mais de 90 países e atua em 12 áreas de atuação, sendo a parte de arbitragem a mais conhecida. Para o comércio, os setores de padrões de comércio na internet, fraudes na internet,compliance e finanças estão entre os principais. Para este ano, Feffer afirma que a ICC lançará a comissão de compliance que irá interagir com as melhores práticas globais.

O ICC é instituição privada sem fins lucrativos que interage com os governos, diferentemente da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da ONU, que têm representantes governamentais diretamente responsabilizados. “Nós podemos usar a experiência dos negócios privados levando para as práticas governamentais”, explica Feffer.

A entrevista foi realizada em parceria com a Intelligent Tech & Trade Initiative (ITTI), um projeto da ICC Brasil, a Câmara de Comércio Internacional.

Acompanhe a entrevista completa: