Economia

30/08/2017

FecomercioSP estima crescimento de até 0,5% do PIB no segundo trimestre

Indicadores positivos de varejo e serviços puxam revisão para cima das projeções

FecomercioSP estima crescimento de até 0,5% do PIB no segundo trimestre

Pesquisas da Entidade apontam para a recuperação da economia, que tem sido estimulada pela queda da inflação e dos juros menores, com o ciclo de cortes na taxa Selic
(Arte/Banco de Imagens)

O Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre, a ser divulgado na sexta-feira, deve ser mais positivo que as recentes projeções do mercado, entre 0,1% e 0,2%. Para a FecomercioSP, a elevação do PIB pode ficar próxima de 0,4% a 0,5%, tanto na comparação com o trimestre anterior quanto com o primeiro trimestre deste ano.

Após avanço de 1% do PIB no primeiro trimestre, as projeções apontavam para um novo recuo, mas os números positivos do setor de varejo e a recuperação acima do esperado do setor de serviços, aliados à alta da produção agrícola e ao consequente efeito sobre o agronegócio, dispararam a revisão para cima das projeções. Esse será o segundo trimestre consecutivo de crescimento.

Veja também:
Redução das incertezas e deflação abrem espaço para queda de 1 ponto porcentual da taxa Selic, aponta FecomercioSP
Alteração na taxa de juros do BNDES contribuirá efetivamente para reduzir o déficit público, aponta FecomercioSP
País precisa elevar taxa de investimento para crescer de maneira sustentável

Pesquisas da Entidade apontam para a recuperação da economia, que tem sido estimulada pela queda da inflação e dos juros menores, com o ciclo de cortes na taxa Selic. A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) tem mostrado um crescimento mais acelerado do que o esperado no varejo em São Paulo, e a Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS) aponta recuperação gradativa dos serviços na capital paulista.

Com base em seus indicadores e também na divulgação de dados públicos, a FecomercioSP tem se mostrado um pouco mais otimista e acredita na retomada da economia no segundo semestre.