Negócios

05/02/2019

Fluxo de caixa diário permite identificar déficits pontuais na gestão financeira

Ferramenta de registro de pagamentos e recebimentos auxilia na tomada de decisão para manter a empresa no azul

Fluxo de caixa diário permite identificar déficits pontuais na gestão financeira

FecomercioSP explica, em vídeos, como o empreendedor pode aperfeiçoar a gestão dos negócios
(Arte: TUTU)

Não é nada agradável quando o empresário se depara, no fim do mês, com o quadro financeiro da empresa em situação desfavorável. Em alguns casos, para contornar esse cenário, basta pôr em prática técnicas de gestão financeira que permitam observar a movimentação dos recursos do empreendimento. Uma ferramenta bastante útil nesse sentido é o fluxo de caixa.

O fluxo de caixa é uma ferramenta que apresenta um cenário sobre a situação financeira da empresa ao computar a entrada e a saída de recursos com base em vendas e pagamentos. Ao trabalhar com essas informações, o empreendedor consegue fazer uma previsão financeira para os próximos períodos, o que permite antecipar decisões para que a empresa se mantenha no azul.

Veja também
FecomercioSP lança ferramenta que estima vendas para empresas do varejo paulista
Delegar tarefas potencializa a eficiência dos negócios
Investir em negócios vistos como tendência exige conhecimento do empresário

De acordo com a assessoria técnica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), quanto mais curto for o período de avaliação, melhor é o resultado do fluxo de caixa. Fazer um fluxo de caixa diário é mais eficiente do que semanal ou mensalmente. É muito mais prático e eficiente observar todos os dias o que entra no caixa e o que sai dele para avaliar a saúde financeira da empresa. Observar os resultados mensais é importante, porém, para honrar compromissos que todos os dias ocorrem, é preciso observar o saldo do fluxo de caixa todos os dias.

Uma vantagem do fluxo de caixa diário é a identificação de “furos” – ocorre quando os pagamentos superam os recebimentos. Isso porque, mesmo que a empresa seja superavitária no fim do mês, déficits pontuais podem prejudicar o andamento dos negócios, como a falta de capital de giro (dinheiro rápido à disposição) para honrar compromissos ou fazer investimentos.

Quando não há necessidade de capital de giro – ou seja, o próprio fluxo de caixa mostra que os recebimentos são maiores do que os pagamentos –, a empresa tem uma gestão financeira mais eficiente. Por isso, o dia a dia conta mais do que o mês a mês.

Para evitar “furos”, a assessoria técnica da FecomercioSP sugere que a empresa negocie com seus fornecedores prazos maiores para pagar pelas mercadorias. Desse modo, o estabelecimento comercial tem mais tempo para efetuar as vendas para os clientes antes de acertar as contas com os fornecedores.

Uma forma de trabalhar com o fluxo de caixa é por meio de planilhas para registro de todos os pagamentos e recebimentos efetuados no período. Com isso, os saldos ficam claros, e o empresário pode acompanhar a gestão financeira do negócio. Vale lembrar que a ferramenta pode ser usada em qualquer tipo de empresa do setor de comércio (varejista, atacadista e de serviços). Ou seja, é uma atividade de suma importância para o sucesso de qualquer empreendimento.

Quer saber mais sobre o fluxo de caixa e outras ações de gestão empresarial? Confira o conteúdo especial desenvolvido pela FecomercioSP para aperfeiçoar os negócios.