Negócios

19/09/2018

Mahogany aposta em lojas “light” e dribla crise econômica brasileira

Fundador e presidente da empresa de cosméticos aponta criação de modalidades de aproximação com o consumidor

Mahogany aposta em lojas “light” e dribla crise econômica brasileira

Companhia teve crescimento de 35% nos anos de 2016 e 2017
(Arte: TUTU)

O mercado tem evoluído rapidamente com as tecnologias que proporcionam todo tipo de oferta, como loja física, on-line e venda direta. Por isso, é importante que o empresário entenda as transformações e rapidamente se adapte a elas, já que o ambiente varejista está cada vez mais competitivo.

De acordo com o fundador e presidente da Mahogany, Jaime Drummond, o relacionamento da marca com o consumidor é um dos fatores mais importantes para se manter no mercado. “Precisa ser criativo e inovador, pois não adianta fazer as mesmas coisas que os outros fazem, senão vai ser apenas uma questão de preço”, alerta.

Veja também: 
Grupo Ornatus se adapta e aproveita crise econômica para “expansão vertical”
Rede de camisetas Piticas aposta no segmento de cultura pop e planeja expansão 
Chocolândia: de bomboniere a rede de supermercados 
Estratégia multicanal da Polishop atrai novo consumidor

Pensando nisso, a empresa de cosméticos fundada em 1991 criou algumas modalidades para se aproximar do consumidor, classificadas como loja light. “Essas lojas não são instaladas nos principais centros comerciais e shopping centers, e muitas delas até não estão nem ligadas às principais capitais brasileiras, e atendem a todo tipo de consumidor. Desde a inauguração em 2015, elas já representam mais de 30% do número do nosso total de lojas que é de 210, o que tem ajudado muito no nosso faturamento”, explica Drummond.

Graças a esse tipo de inovação, a Mahogany registrou crescimento de 35% nos anos de 2016 e 2017, mesmo com a crise econômica que atingiu diversos segmentos no País.

Confira a entrevista completa aqui: