Economia

21/12/2017

Não haverá uma grande guinada política em 2018, diz Ricardo Sennes

Em entrevista ao UM BRASIL em parceria com o site “InfoMoney”, o cientista político diz que o baixo grau de mudança do perfil do Congresso restringirá a ação do futuro presidente do País

Não haverá uma grande guinada política em 2018, diz Ricardo Sennes

Especialista alerta para os possíveis presidenciáveis outsiders e questiona como elas farão coalizões
(Foto: Christian Parente/TUTU)

Em entrevista ao UM BRASIL em parceria com o site InfoMoney, o economista e cientista político Ricardo Sennes fala sobre o possível cenário político para as próximas eleições de 2018. Na conversa com Marcos Mortari (InfoMoney) e Humberto Dantas (UM BRASIL), ele observa que a atuação do Congresso no Brasil é muito forte, e um presidente sem capacidade de liderança acaba sendo engolido por ele.

O baixo grau de mudança do perfil dos políticos no Congresso é visto pelo especialista como desfavorável para uma guinada política em 2018. “Pode até ter uma oscilação maior nas eleições presidenciais, o risco de um populista de direita ou esquerda, mas no Congresso a estimativa é que mude de 55% a 60% dos nomes, e o perfil vai ser muito próximo [do modelo atual]”, diz Sennes.

Veja também:
Medida provisória deu à sociedade falsa sensação de que energia seria mais barata, diz Britaldo Soares
Vamos crescer abaixo do potencial pelo menos nos próximos três anos, diz Sérgio Werlang
Crise econômica não impedirá investimentos chineses no Brasil, diz Yuning Gao

O cientista político alerta ainda para os possíveis presidenciáveis outsiders (indivíduo que não pertence a um grupo determinado) e questiona como essas pessoas, caso sejam de fato candidatos à presidência, farão coalizões.

“Os governos que foram mais ou menos bem-sucedidos foram os que conseguiram montar uma coalizão. Então, imaginar que um outsider que caiu das nuvens vai ser um salvador da pátria... Esse cara vai enterrar o País. Ele gera uma estagnação, um empate que no presidencialismo você não tem como sair”, explica Sennes.

Confira a entrevista completa: