Economia

17/10/2016

Proporção de famílias endividadas cai para 58% em 2016, aponta Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras

Estudo da FecomercioSP indica que mais de 400 mil famílias deixaram de ter dívidas entre 2013 e junho deste ano

Proporção de famílias endividadas cai para 58% em 2016, aponta Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras

A redução no conjunto dos endividados e no valor das dívidas se refletiu na queda da dívida média mensal das famílias, que passou de R$ 1.611 para R$ 1.569
(Arte/TUTU)

O temor do desemprego e a perda do nível de renda fizeram a parcela de famílias endividadas nas capitais brasileiras cair de 62% em 2013 para 58% no final do primeiro semestre de 2016. Essa queda indica que mais de 400 mil famílias conseguiram se livrar do endividamento nesse período. Em 2013, eram 9,466 milhões de famílias com algum tipo de dívida. Em junho deste ano, o número caiu para 9,062 milhões.

Os dados são da sexta edição da Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras, elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O estudo avalia os principais aspectos e efeitos da política de crédito no Brasil no período de 2013, quando o avanço inflacionário exigiu a retomada de uma política de juros mais agressiva, ao primeiro semestre deste ano, em que a recessão econômica ainda se mostra persistente.

Nesse período, o valor total mensal das dívidas caiu, em valores reais, cerca de R$ 1,1 bilhão, passando de R$ 15,2 bilhões em 2013 para R$ 14,2 bilhões em 2016. Ao mesmo tempo, nota-se uma alta expressiva nas taxas de juros finais para as pessoas físicas, que passaram de 42,7% para 54,1%.

A redução no conjunto dos endividados e no valor das dívidas se refletiu na queda no valor da dívida média mensal das famílias. Houve uma redução de 2,6% em termos reais no período, passando de R$ 1.611 para R$ 1.569. Em contrapartida, a proporção de famílias com contas em atraso subiu de 21%, em 2013, para 23%, em junho deste ano.

O levantamento também detalha o nível de endividamento nas capitais brasileiras. Em São Paulo, por exemplo, o número de famílias endividadas caiu 7,5% nesse período. Já Curitiba segue sendo a capital com maior taxa de famílias com contas a pagar. Em contrapartida, Goiânia é a capital que possui o menor porcentual de famílias endividadas.

Quando se trata de inadimplentes, a proporção é maior em Boa Vista. Já a capital com a menor taxa de famílias com dívidas em atraso é João Pessoa.

Veja mais detalhes sobre a Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras no infográfico abaixo:

infografico_brasil