Negócios

05/12/2018

Regulação e impostos são desafios para marca de cosméticos argentina operar no Brasil

Sucesso no mercado brasileiro é sonho dos donos da Exel, fabricante de produtos para rosto, corpo e cabelo

Regulação e impostos são desafios para marca de cosméticos argentina operar no Brasil

Empresa possui dois institutos de pesquisa e desenvolvimento em Buenos Aires e atua nos segmentos profissional e home care
(Arte/Tutu) 

Por Eduardo Vasconcelos

Com 28 anos de operação e presente nos maiores mercados consumidores do mundo, a empresa argentina Exel Cosméticos encontrou no Brasil, a despeito de vantagens previstas pelo Mercosul, o seu maior desafio. A marca encara as dificuldades de legislação e impostos por conta própria para viver o “sonho do mercado brasileiro”.

A empresa iniciou as operações no País em 2015 após contato com potenciais importadores. Entretanto, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) exige que cosméticos sejam registrados para serem comercializados, a Exel optou por abrir seu próprio escritório no Brasil.

Veja também
Estado de São Paulo ganha quatro unidades de desburocratização do comércio exterior
Conhecer cultura estrangeira favorece negócios fora do País
Globalização pode ampliar oportunidades para pequenas e médias empresas

“Dessa forma, o registro da marca ficava com a Exel, que poderia ter domínio sobre suas próprias atividades e analisar o melhor enquadramento tributário”, comenta a diretora comercial da fabricante argentina, Sabrina Viana. “O que ajudou, em termos de Mercosul, é que todos os testes dermatológicos feitos na Argentina não precisam ser refeitos no Brasil. Se tivéssemos de refazê-los, o tempo para registrar os produtos e iniciar as operações comerciais seria muito mais longo”, completa.

Embora a união aduaneira tenha amenizado as exigências de regulação, o mesmo não pode ser dito sobre a questão tributária. Sob operação própria, a empresa tem de lidar com o complexo sistema de impostos brasileiro, assunto de difícil entendimento para os sócios. “O Brasil é considerado, além de um sonho dos donos, um grande desafio”, pontua Sabrina.

Conheça outros casos de sucesso internacional
Fabricante da Paçoquita revisa operações externas para se concentrar no Mercosul
Estrella Galicia se estabelece no Brasil com aumento do interesse por cerveja premium
Nutty Bavarian se reinventa no Brasil e projeta expansão europeia

Com dois institutos em Buenos Aires, a Exel desenvolve produtos faciais, corporais e capilares para usos profissional e home care, além de oferecer capacitação profissional. A expectativa da empresa é de desenvolver uma estrutura similar no Brasil.

“O Brasil continua sendo um mercado promissor, é o quarto maior consumidor de cosméticos no mundo. Queremos ter o mesmo sucesso que temos na Europa e nos Estados Unidos, porém, sabemos que aqui é um trabalho árduo”, ressalta.