Negócios

19/12/2018

Restaurante argentino de comida natural supera início difícil e planeja expansão no Brasil

Tea Connection precisou rever modelo de negócio para conquistar brasileiros

Restaurante argentino de comida natural supera início difícil e planeja expansão no Brasil

Rede argentina precisou entender "clima tropical" para estabelecer os negócios no País
(Arte/Tutu)

Por Eduardo Vasconcelos

Com planos de abrir dez unidades no Brasil até 2020, o restaurante argentino de comida natural Tea Connection quase pôs tudo a perder ao apressar o processo de internacionalização. De acordo com o CEO da empresa, Ricardo Quiroz, a marca, quando veio ao Brasil, ainda não possuía experiência suficiente e errou ao tentar replicar o modelo de negócios argentino.

“Demoramos muito para aprender a falar com o consumidor brasileiro”, conta Quiroz. Isso porque a empresa abriu, há seis anos, duas unidades no País, mas logo teve que fechar uma delas em função do baixo número de clientes.

Veja também
“América Latina é espaço para pequenas empresas entrarem no comércio exterior”, diz diretor do Itamaraty em evento na FecomercioSP
Estado de São Paulo ganha quatro unidades de desburocratização do comércio exterior
Crise na Argentina deve dificultar a recuperação da economia brasileira

“Quando abrimos as lojas no Brasil, só tínhamos três unidades na Argentina. Com três lojas, você tem de ficar na sua casa, aprender e errar muito. Depois, ter coragem para ir a outros mercados”, reflete o CEO da Tea Connection.

Após as dificuldades iniciais, o restaurante especializado em comidas naturais e chás gelados voltou a ter duas unidades em São Paulo, localizadas nos Jardins e no Itaim Bibi. A empresa também possui 17 lojas na Argentina, duas no Chile e uma no México.

Conheça outros casos de sucesso internacional
Regulação e impostos são desafios para marca de cosméticos argentina operar no Brasil
Fabricante da Paçoquita revisa operações externas para se concentrar no Mercosul
Estrella Galicia se estabelece no Brasil com aumento do interesse por cerveja premium
Nutty Bavarian se reinventa no Brasil e projeta expansão europeia
Sucesso internacional da Havaianas envolve parcerias com distribuidores locais

“Quando chegamos aqui, tentamos falar com o consumidor do mesmo jeito que falamos na Argentina e não nos atentamos à questão da tropicalização. Demoramos muitos anos para entender que há diferenças-chave entre os povos. Independentemente de tudo, o conceito é real. As empresas precisam entender a tropicalização para operar no Brasil”, afirma Quiroz.

Ele conta que o plano de expansão da marca foi elaborado há dois anos e que, de 2018 em diante, o foco seria o Brasil. A intenção é ter dez estabelecimentos da Tea Connection no País até 2020 e, depois, possivelmente abrir unidades da Green Eat, fast-food de comida natural do mesmo grupo.

“Na Argentina, vemos o Brasil como o filho vê o pai. Sabíamos que tínhamos errado no começo, mas não queríamos tirar o pé daqui. Estar no Brasil é um orgulho imenso”, salienta.