Economia

21/09/2018

Sociedade precisa do debate entre conservadores e progressistas, diz João Pereira Coutinho

Cientista político e escritor português defende o equilíbrio entre diferentes correntes de pensamento

Sociedade precisa do debate entre conservadores e progressistas, diz João Pereira Coutinho

Conservadorismo tende a preferir soluções tradicionais, desde que mostrem certa utilidade e benignidade para a sociedade
(Foto: Christian Parente)

“Qualquer sociedade precisa de conservadores e progressistas, pelo simples motivo que a verdade deverá emergir dessa conversação. No fundo, é como uma orquestra”. A análise é do cientista político e escritor português, João Pereira Coutinho. Em entrevista ao UM BRASIL, ele defende o equilíbrio entre diferentes correntes de pensamento na sociedade.

Autor do livro As Ideias Conservadoras, o cientista político define o conceito de conservadorismo como um pensamento filosófico que, aplicado à política, leva em consideração o contexto da sociedade para que ela se desenvolva.

Veja também:
Velha estrutura política ainda decide eleições, diz Cláudio Couto
Governantes perderam chance de manter avanços no País, afirma Maria Paula Carvalho
Brasil precisa dobrar investimentos em infraestrutura por 25 anos para aumentar a produtividade

Coutinho ressalta a Renato Galeno que o ideal conservador é associado erroneamente a expressões políticas reacionárias, especialmente, em países que tiveram experiências ditatoriais de direita, como Portugal e Brasil. Segundo o especialista, os reacionários pretendem transformar radicalmente o presente rumo ao passado, enquanto os revolucionários o fazem rumo ao futuro.

portal__733__chargejoaocoutinho

“Acho mais racional, do ponto de vista político, defender a liberdade, a igualdade e a justiça, partindo de uma análise das circunstâncias e da realidade. Pode haver situações em que a igualdade é o valor mais importante, e outras em que é a liberdade”, analisa.

Ele comenta que o conservadorismo tende a preferir soluções tradicionais, que tenham sobrevivido ao longo do tempo, desde que mostrem certa utilidade e benignidade para a sociedade. Ele dá como exemplo a escravatura, que, embora fosse uma tradição, deixava de respeitar a dignidade da natureza humana.

Confira a entrevista na íntegra: