Economia

14/01/2019

Sucesso do novo governo depende de ajuste fiscal e Reforma da Previdência

Governo precisa reduzir gastos e aumentar receitas, sem elevar tributos, para tirar contas públicas da rota de insolvência

Sucesso do novo governo depende de ajuste fiscal e Reforma da Previdência

Modificar as regras de aposentadoria e pensão é a peça-chave para encaminhar a resolução do problema fiscal brasileiro
(Arte/Tutu) 

Não há uma única forma de avaliar se um governo é bem-sucedido ou não. Contudo, para a população, em geral, um ponto delicado é a economia. E, nesse campo, embora o resultado econômico possa ser analisado de diversas maneiras, o que de fato interessa aos cidadãos são emprego e renda – condições que melhoram a vida das pessoas.

O governo do presidente Jair Bolsonaro assume o Executivo federal com respaldos popular e político consideráveis, mas tem uma tarefa árdua pela frente: o ajuste fiscal. Em outras palavras, como o Estado brasileiro está endividado, o governo precisa reduzir gastos e aumentar receitas. De preferência, até para não perder apoio da população, deve aumentar receitas sem criar ou elevar tributos, o que é possível com crescimento econômico.

Veja também
Condições econômicas devem favorecer investimentos em ações em 2019
Política econômica do novo governo sinaliza melhores condições de investimento no setor produtivo
Problema fiscal está enraizado em interesses políticos, diz FHC em evento

Nesse caso, se o governo tiver sucesso em mostrar que está empenhado com a política de austeridade fiscal, estará, ao mesmo tempo, fomentando um ambiente de crescimento, uma vez que ficará claro aos investidores o compromisso do Brasil com essa pauta.

A peça-chave da questão fiscal é a Reforma da Previdência. Modificar as regras de aposentadorias e pensões deve ser a prioridade do governo, porque, sem essa reforma, as contas públicas, que já não fecham no presente, pioram ainda mais no futuro.

Nada impede o encaminhamento de pautas de outras áreas, como segurança, educação e saúde, mas, se não remodelar o sistema previdenciário – principal responsável pelo rombo no orçamento da União –, dificilmente o governo terá condições de viabilizar políticas eficientes.