Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

01/07/2022

Em meio a crises internacionais de diversas ordens, Brasil não deve se “filiar” aos movimentos protecionistas e de barreiras às exportações

Canal UM BRASIL entrevista Luciana Maria de Oliveira, advogada associada sênior do Cescon Barrieu

Ajustar texto: A+A-

Em meio a crises internacionais de diversas ordens, Brasil não deve se “filiar” aos movimentos protecionistas e de barreiras às exportações

Luciana Maria de Oliveira, advogada associada sênior do Cescon Barrieu
(Foto: divulgação)

Diante dos indícios de agravamento do ambiente econômico global e do aumento da crise de segurança alimentar no mundo, há um risco crescente de que vários países passem a adotar ainda mais restrições ao comércio exterior e às exportações mundiais. “As nações passam a se proteger e começam a caminhar em um sentido inverso a todo aquele movimento de união, de livre fluxo e de aberturas econômica e comercial. Isso é um reflexo das diversas crises que estão acontecendo em cadeia. Eu vejo ocorrendo uma reestruturação da ordem econômica internacional”, afirma a doutora Luciana Maria de Oliveira, advogada associada sênior do Cescon Barrieu nas áreas de Comércio Internacional e Comércio Exterior. 

 “Os países começam a reformular as economias e se fecham para as cadeias globais de valor, muitas vezes sobretaxando [o setor produtivo] em impostos e criando políticas que acabam prejudicando [a economia]. Os conflitos localizados, que não são tão localizados assim, geram reflexos imediatos no mundo todo, fazendo com que nações utilizem determinados parâmetros que não eram usados há muitas décadas, como a questão da autossuficiência”, ressalta. 

Em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Luciana fala sobre as tensões nos mercados internacionais em decorrência da pandemia e da guerra na Ucrânia, além do posicionamento brasileiro em negociações internacionais e do futuro da globalização. 

Confira outras entrevistas do UM BRASIL
Negócios com visão transdisciplinar são indispensáveis para o desenvolvimento sustentável
Consumidor espera que empresas se posicionem sobre impactos causados à sociedade
Práticas ESG pressupõem respeito aos direitos humanos nas empresas

Para Luciana, em que pesem todos os problemas e dificuldades estruturais do Brasil, o País tem a vantagem de ser o terceiro maior exportador agrícola do mundo, de forma que terá grandes oportunidades comerciais – por meio do aumento de preços das commodities – se souber reestruturar a cadeia de suprimentos e não ser demasiadamente dependente de outros países em detrimento da própria produção nacional, bem como se conseguir diversificar ainda mais os fornecedores para bens como fertilizantes. 

“É importante que o Brasil não se filie aos movimentos de fechamento, de imposição de barreiras às exportações e de busca pela autossuficiência – de forma a não deixar de ser competitivo e de investir em seu mercado. Atualmente, o Brasil ainda é muito fechado para as cadeias de produção e de valor, então, precisa se abrir mais e buscar contratos que beneficiem os investimentos internacionais”, esclarece. 

Ela também pondera que os fatores ambiental e sustentável serão fundamentais no processo de reformulação do comércio global. “Hoje, há uma grande necessidade na Europa de investir em energia limpa; a Alemanha tem uma forte dependência do gás natural da Rússia; a Ucrânia e a Rússia exportam 25% do petróleo para o continente. Agora, os países começam a pensar a questão da dependência. Não é mais possível, diante das atuais circunstâncias, depender tanto de determinados fornecedores em setores tão estratégicos”, conclui.

Fechar (X)