Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

08/07/2016

Estoque de trabalhadores ativos no setor de serviços paulista atinge o menor patamar desde julho de 2013

Segundo pesquisa da FecomercioSP, segmento eliminou 5.145 postos de trabalho em abril e registrou estoque de 7.414.599 empregados

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 08 de julho de 2016 - Em abril, pelo segundo mês consecutivo, o saldo de funcionários do setor de serviços do Estado de São Paulo ficou negativo. Foram eliminados 5.145 postos de trabalho no mês, resultado de 186.061 admissões e 191.206 desligamentos. Com isso, o estoque ativo de trabalhadores atingiu 7.414.599 empregados, o menor patamar desde julho de 2013. O saldo de abril foi o pior para o mês desde o início da série histórica, em 2007. 

No primeiro quadrimestre do ano, o saldo foi negativo em 10.028 empregos - primeira vez na história que se registra eliminação de vagas nesse período. Nos últimos 12 meses, de maio de 2015 a abril deste ano, foram fechados 168.700 postos de trabalho no setor de serviços paulista. 

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Setor de Serviços do Estado de São Paulo (PESP Serviços), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais). 

Das doze atividades pesquisadas em abril deste ano, apenas o segmento de médicos, odontológicos e serviços sociais apresentou crescimento no estoque de empregos na comparação com o mesmo mês de 2015 (0,8%). Os destaques negativos foram as atividades de informação e comunicação (-5,2%), transporte e armazenagem (-4,8%) e administrativas e serviços complementares (-4,2%).

tabela_pesp_servios_abril_2016 

Segundo a FecomercioSP, apesar de a retração do número de trabalhadores formais ter mantido o ritmo observado em março (-2,2% na comparação com o mesmo mês do ano anterior), ela continua sendo a maior já registrada no setor de serviços paulista. 

A despeito do resultado ruim, porém, a Federação mantém expectativa positiva de desaceleração do ritmo de eliminação de vagas, com o fechamento de menos postos de trabalho nos próximos meses de 2016 em relação aos mesmos de 2015. A recuperação, para a Entidade, está atrelada à retomada da confiança tanto do consumidor quanto do empresário. Caso medidas adotadas pela nova equipe econômica consigam consolidar a melhora das expectativas, pouco a pouco os consumidores tendem a restabelecer seu comportamento normal de consumo, enquanto empresários devem revisitar cortes de despesas e retomar projetos de investimento. 

Com relação aos dados por ocupações, os maiores saldos negativos registrados em abril foram observados nas seguintes funções: trabalhadores nos serviços de informações ao público, com o fechamento de 1.772 postos de trabalho; seguido por serviços de hotelaria e alimentação (-1.363 vagas) e pelos escriturários contábeis e de finanças (-914). 

Capital paulista
Foram eliminados 4.499 empregos formais no setor de serviços da cidade de São Paulo em abril; no primeiro quadrimestre, foram extintos 12.347 postos de trabalho. No acumulado dos últimos 12 meses, a redução chega a 63.683 empregos com carteira assinada, o que levou a uma diminuição de 1,8% do estoque total de trabalhadores na comparação com abril de 2015. 

O saldo negativo registrado em abril é o oitavo consecutivo no setor de serviços da capital paulista. Segundo a FecomercioSP, a partir de agosto de 2015 verifica-se variação negativa do estoque ativo de trabalhadores do setor na comparação anual. Essa redução chegou ao seu pior porcentual de toda a série histórica em março (-1,8%) e se manteve em abril. 

Das 12 atividades analisadas na PESP Serviços, oito eliminaram postos de trabalho em abril. Os piores desempenhos foram vistos nas atividades administrativas e serviços complementares (-2.399 vagas); profissionais, científicas e técnicas (-1.289) e transporte e armazenagem (-951 vagas). Os segmentos que mais geraram empregos formais em abril foram médicos, odontológicos e serviços sociais (1.128); educação (212) e imobiliárias (119 vagas). 

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Setor de Serviços do Estado de São Paulo (PESP Serviços) analisa o nível de emprego do setor de serviços. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e 12 atividades: transporte e armazenagem; alojamento e alimentação; informação e comunicação; financeiras e de seguros; imobiliárias; profissionais, científicas e técnicas; administrativas e serviços complementares; administração pública, defesa e seguridade social; educação; médicos, odontológicos e serviços sociais; artes, cultura e esportes e outras atividades de serviços. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho , por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).