Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

14/10/2021

Conselho de Relações Internacionais debate as causas da inflação do frete internacional

Conselho também colocou em pauta a necessidade de benefício fiscal para que o setor privado possa usufruir do cross-border

Ajustar texto: A+A-

Conselho de Relações Internacionais debate as causas da inflação do frete internacional

Comércio encontrou “válvula de escape” no e-commerce, mas a entrega ainda exige toda uma logística física
(Arte: TUTU)

Os setores econômicos que atuam no comércio exterior têm lidado cada vez mais com o aumento dos custos do frete marítimo e com a escassez de contêineres, ao passo que as atividades do comércio eletrônico no mundo têm se expandido demasiadamente, por conta da pandemia. Isso tem levantado dúvidas nas empresas sobre a capacidade de abastecimento no mercado interno para o fim de 2021, ou mais tardar, para o primeiro trimestre de 2022. 

Tendo em vista que a matéria-prima de muitas indústrias é movimentada pelo comércio internacional, diversos fatores econômicos têm gerado um efeito inflacionário em cadeia. É um momento atípico que pode vir a causar desabastecimento de produtos eventualmente, explicou Samia Sleiman Raya, diretora comercial da Vendemmia Logística Integrada, durante reunião do Conselho de Relações Internacionais (CRI) da FecomercioSP, em 4 de outubro. Confira, a seguir, os principais destaques da análise de Samia, apresentada aos empresários que integram o conselho: 

Atualmente, o modal marítimo representa 80% do comércio mundial. A constante inflação dos fretes pode ter como alicerce a retomada do varejo americano, que previu uma alta da demanda nas rotas principais – China e Estados Unidos, e China e Europa. Essa demanda latente continua sob pressão, de forma que fretes que custavam US$ 3 mil, já ultrapassam US$ 12 mil. Tal cenário deve se manter até que as principais rotas sejam reestabelecidas e até que se consiga suprir a demanda irregular que surgiu durante a pandemia. 

Veja também
Carnê ATA: documento que simplifica as etapas de exportação e importação temporárias é revisado
Ficou mais fácil trocar mercadoria importada com defeito; entenda por quê
Empresa pode descontar os créditos de PIS/Pasep e Cofins relativos à armazenagem e ao frete nas vendas de mercadorias importadas

“Os Estados Unidos se deram conta de que, na hora em que reabrissem, teriam de volta uma forte demanda que estava retraída, uma demanda por contêineres maior do que o mercado poderia atender. [Como resultado,] isso contrabalanceou o preço para cima. Acredito que seja momentâneo, e não algo que veio para ficar”, esclareceu. 

Quando o varejo americano percebeu que haveria uma grande retomada após a queda acentuada pelo covid-19, segundo ela, uma situação improvável tomou forma: grandes empresas americanas chegaram a fechar contratos em torno de US$ 20 mil para o transporte de contêineres. A disposição a arcar com tamanho custo decorre, em parte, de que estes negócios vendem ao cliente a disponibilidade do produto em sua casa em 24 horas, mesmo em meio a um cenário de crise mundial – em que normalmente se estenderia a entrega para uma semana. “Nós vimos uma gigante do e-commerce, que usava o modal aéreo, colocando no mercado um pedido de 50 mil a 100 mil contêineres”, ressaltou Samia. 

Ela lembrou que o frete também é tratado como commodity, com uma oscilação cada vez mais frequente diante de uma economia globalizada, de forma que “a conta tem de fechar” quando se fala em um bom serviço no transporte. O setor pede um investimento que acompanhe a tecnologia com geolocalização, bem como contêineres que preservem alimentos em perfeitas condições e com alto valor agregado, a diretora enfatizou. Afora isso, há ainda a cobrança por máquinas menos poluentes e pela modernização das frotas. 

Outros fatores a serem considerados são a crescente demanda por navios com mais de 300 ou 400 metros, o que exige investimentos pesados na dragagem dos portos; a demanda por aço para a produção de contêineres; o grande custo operacional, com bunker e combustível; a diminuição da oferta no setor ao longo das últimas décadas, em razão da concentração de 90% do mercado em poder de 10 armadores; atrasos por razões climáticas, que aumentam o gasto em toda a cadeia logística; e possíveis instabilidades jurídicas, no caso do Brasil. 

“É preciso tentar fazer uma leitura do que será tudo isso daqui a quatro ou cinco anos. A covid-19, o fechamento das fábricas, a retomada muito forte e o congestionamento dos portos foram gatilhos. Foi uma “montanha-russa” de acontecimentos e a tendência é que, daqui para frente, os novos hábitos do e-commerce – tal como a experiência do consumidor em trocar serviço por produto – também se mantenham”, frisou Samia. 

Conforme lembrou Rubens Medrano, presidente do CRI e vice-presidente da FecomercioSP, o comércio encontrou uma “válvula de escape” no e-commerce, mas apesar de a venda ser virtual, a entrega ainda exige toda uma logística, processo duramente afetado pela pandemia. 

Saiba mais sobre o Conselho de Relações Internacionais (CRI) clicando aqui.

Cross-border no e-commerce brasileiro 

Na reunião do CRI, o presidente do Conselho de Economia Digital e Inovação (CEDI) da FecomercioSP, Vitor Magnani, comentou que, no Brasil, o comércio eletrônico dobrou de tamanho na pandemia, chegando a 10%, de acordo com as perspectivas mais sólidas. Contudo, ainda se trata de um porcentual abaixo da China e dos Estados Unidos, onde a penetração do e-commerce é de até 60%. 

Ele também avaliou a política que concede aos Correios o benefício fiscal que o torna preponderante na logística cross-border realizada entre consumidor final e marketplace internacional, benefício não concedido às empresas privadas “Um dos incentivos é o “de minimis”, limite de US$ 50, no Brasil, em que a pessoa não paga Imposto de Importação (II) na compra internacional. Isso só é aplicado aos Correios, o que impede a iniciativa privada ter o mesmo piso regulatório tributário para deslanchar neste cross-border. Na América Latina, a média do “de minimis” é de US$ 128, e nos Estados Unidos, de US$ 800. O Brasil está muito atrás por conta destes dois fatores: limitações de valor e [de acessibilidade].” 

Segundo Magnani, espera-se que ocorra um avanço nesta questão de forma a modernizar a logística de pequenos pacotes – em que produtos de diferentes categorias são transportados e entregues juntos ao consumidor. 

“Este é um tema em estudo no CEDI, estamos levantando a discussão com as secretarias pertinentes. Já existe um estudo da Receita Federal, atualmente parado na Casa Civil, para revisitar a questão do “de minimis”. A mensagem do governo federal é que se possa ter um valor de US$ 30, com ampliação para a iniciativa privada. Apesar de estar muito atrás de outros países, seria um avanço importante para o cross-border do e-commerce”, ponderou Magnani. Confira a análise completa sobre o tema.

Saiba mais sobre o Conselho de Economia Digital e Inovação

Faça parte

Se você tem interesse na melhoria do ambiente de negócios para que a sua empresa possa crescer, conheça melhor a FecomercioSP. Você pode se tornar um associado e ter acesso a conteúdos e serviços exclusivos, além de descontos em eventos e outros benefícios.