Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Legislação

27/09/2021

FecomercioSP manifesta a senadores que Reforma Tributária gera aumento de carga mesmo após ajustes na Câmara

Entidade também solicita que Poder Legislativo discuta a proposta em audiência pública com o setor privado

Ajustar texto: A+A-

FecomercioSP manifesta a senadores que Reforma Tributária gera aumento de carga mesmo após ajustes na Câmara

Reforma Tributária do governo segue prejudicial às empresas
(Arte/Tutu)

Temendo o avanço do Projeto de Lei (PL) 2.337/2021, conhecido como “segunda fase da Reforma Tributária”, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do Conselho Superior de Direito (CSD) e do Conselho de Assuntos Tributários (CAT), manifestou, ao relator do texto no Senado Federal e aos senadores paulistas, argumentos contra a aprovação da proposta, tendo em vista os prejuízos que ocasionaria às atividades empresariais.

Em ofício, encaminhado na sexta-feira (24) aos senadores que representam o Estado de São Paulo – José Aníbal (PSDB), Giordano (MDB) e Mara Gabrilli (PSDB) –, além do relator da proposta, Angelo Coronel (PSD/BA), a Entidade salienta que, mesmo após os ajustes que o texto recebeu na Câmara dos Deputados, ainda haverá aumento de carga tributária caso seja validado pelo Senado.

Saiba mais sobre os problemas do projeto de Reforma Tributária
Proposta da reforma do IR que será analisada pelo Senado segue prejudicial aos contribuintes
Avanço da Reforma Tributária representa risco a contribuintes e mais um entrave para investimentos
Em evento da FecomercioSP, tributaristas rechaçam Reforma Tributária do governo: “Descalabro”

Na Câmara, após votação controversa, o texto avançou sob a premissa equivocada de que não gera aumento de impostos. Contudo, no que se refere às empresas de menor porte, é comum que a pessoa física se confunda com a pessoa jurídica, de modo que a maior parte dos lucros seja distribuída. Considerando esta realidade, a proposta em trâmite no Poder Legislativo aumenta o porcentual incidente sobre o lucro de 34% para 37,1%.

No que diz respeito às empresas tributadas pelo lucro presumido, só haverá redução de carga tributária para as enquadradas no limite da isenção sobre a distribuição de lucros e dividendos, isto é, àquelas com receita anual de até R$ 4,8 milhões. As demais, por outro lado, terão um aumento de tributação significativo.

Especificamente para o setor de serviços, cuja base de cálculo presumida é de 32%, a carga tributária final sobre a receita deve subir para 28,25%, o que representa uma alta de quase 12 pontos porcentuais (p.p.) em relação às empresas isentas. O comércio não fica atrás. Com base de cálculo presumida de 8%, a carga tributária, conforme o PL 2.337/2021, sobe para 18,7%, um aumento de 13 p.p.

Além disso, o retorno da tributação de lucros e dividendos pode gerar a utilização de artifícios para a distribuição “disfarçada” dos rendimentos, elevando, assim, a ocorrência de litígios.

A Entidade também sinaliza que a proposta, se aprovada, aumenta a carga tributária na distribuição de eventuais lucros e dividendos registrados em 2021. Isso porque a empresa que, em 2022, distribuir lucros auferidos nos anos anteriores será tributada na alíquota de 34%. Para os lucros registrados a partir do ano que vem, a distribuição sofrerá a incidência de 26%, o que fere a isonomia tributária e prejudica a segurança jurídica.

Em resumo, a proposta, em vez de incentivar o empreendedorismo e o crescimento das empresas, aumenta a carga tributária para a maioria dos estabelecimentos, além de potencializar a litigiosidade no âmbito dos negócios.

IR e audiência pública

Aos senadores, a Entidade também aponta incoerências em relação à atualização da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Enquanto a proposta pretende atualizar os valores em 31,1%, estudos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) apontam que, para recuperar a defasagem desde 1996, os valores deveriam ser ajustados em 113,09%.

A FecomercioSP, o CSD e o CAT, além disso, salientam que os valores de deduções relacionadas a dependentes e a despesas com instrução também deveriam passar por forte reajuste, caso o objetivo da proposta encaminhada pelo governo federal fosse, de fato, recuperar a defasagem do sistema.

Em razão de diversos problemas contidos no PL, a FecomercioSP também solicita que o Senado, antes de prosseguir com a discussão da proposta, realize uma audiência pública, por videoconferência, com o setor privado, de modo que as entidades empresariais e os representantes da sociedade civil possam expor suas considerações.

Momento inoportuno para a Reforma Tributária

Assim como em outras ocasiões, a FecomercioSP reforçou aos senadores que, em razão dos impactos negativos da pandemia de covid-19 sobre as empresas e os empregos, este não é o momento adequado para discutir uma Reforma Tributária, uma vez que a prioridade deve ser a superação da crise sanitária e a retomada da economia.

Além disso, a Entidade também argumenta que, antes de reformular o sistema de impostos, o País deve promover uma Reforma Administrativa, pauta capaz de conter os gastos do Estado.

Por fim, a FecomercioSP reiterou que a capacidade contribuitiva do empresariado chegou ao limite, de modo que a atividade empresarial não tem mais como arcar com aumentos de impostos.

Acompanhe a FecomercioSP

Para saber mais sobre as atividades de advocacy da FecomercioSP ou conhecer as atividades dos conselhos da FecomercioSP, fale conosco pelo e-mail ri@fecomercio.com.br. Se você ainda não é associado, clique aqui e conheça as vantagens.