Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

14/12/2015

90% dos paulistanos são favoráveis à construção de faixas exclusivas de ônibus

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 15 de dezembro de 2015 - De acordo com a Pesquisa sobre Mobilidade Urbana realizada pelo IBOPE Inteligência, Rede Nossa São Paulo e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), 90% dos paulistanos entrevistados são favoráveis à construção e ampliação de corredores e faixas exclusivas de ônibus.

Para entender a percepção dos moradores da capital quanto à aceitação das leis de trânsito da cidade, foram avaliadas outras seis medidas que poderiam ser adotadas em São Paulo ou que já estão vigentes. 

Quanto à utilização exclusiva aos domingos de ruas e avenidas, como a Paulista, para lazer e circulação de pedestres e ciclistas, 64% dos entrevistados são favoráveis ante 33% que são contra. Já em relação a quem utiliza carro todos os dias ou quase todos os dias, esse número cai e atinge 54%.

Para a construção e ampliação de Ciclovias e Ciclofaixas, 59% dos moradores da capital são a favor da medida, já 38% não concordam com a lei.

Em relação à aplicação de multa a pedestres, 53% são contra a lei e 46% concordam com ela. Por outro lado, 57% dos usuários de carro são favoráveis à norma. 

De acordo com a pesquisa, 58% dos entrevistados são contra aumentar o rodízio de carros para dois dias.

São 88% os respondentes que se declaram favoráveis à aplicação de multa para veículos que param em cima da faixa de pedestres, enquanto que, para a proibição de estacionamento de veículos nas ruas e avenidas do centro expandido, esse porcentual é de 49%. 

Metodologia

A nona edição do levantamento de percepção dos moradores da capital paulista foi feita pelo IBOPE Inteligência. Foram entrevistados, entre os dias 28 de agosto e 5 de setembro, 700 moradores da cidade de São Paulo com idade a partir de 16 anos. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4 pontos porcentuais para mais ou para menos sobre os resultados totais.