Editorial

16/10/2019

Alimento, o combustível da humanidade, por Abram Szajman

Em artigo, presidente da FecomercioSP ressalta a importância da produção sustentável de alimentos e os desafios da escassez

Alimento, o combustível da humanidade, por Abram Szajman

"A segurança alimentar é, sem dúvida, um dos maiores focos de atenção mundial", escreve Szajman
(Arte/Tutu)

*Por Abram Szajman e Algirdas Antonio Balsevicius

Ao celebrar o Dia Mundial da Alimentação, em 16 de outubro, sob o tema “dietas saudáveis e sustentáveis”, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO-ONU) traz à luz uma necessária reflexão sobre a presença do Brasil na globalização alimentar e os desafios à vista.

Hoje, a população mundial equivale a cerca de 7 bilhões de pessoas que, se consumissem três refeições diariamente à base de produtos saudáveis e nutricionais, alcançariam a expressiva quantidade de 23,1 bilhões de pratos de comida por dia. Já somos o quinto país mais demandante de alimentos do mundo (210 milhões), atrás apenas da China (1,39 bilhão), Índia (1,34 bilhão) Estados Unidos (328,7 milhões) e Indonésia (268 milhões). De acordo com dados da ONU, o volume populacional da Terra deve chegar perto de 10 bilhões de pessoas até meados do século.

Veja também
Até quando?
Reforma é o caminho certo
Competitividade no sistema financeiro

É previsível que a oferta sofrerá o impacto desse crescimento, levando em consideração, como aponta a FAO, alguns aspectos relevantes, tais como: a necessidade de substituir alimentos “brancos” (refinados) pelos “marrons”, mais nutritivos, como frutas, legumes, verduras e grãos; a restrição de espaço para produção de alimentos em geral; a acelerada perda da biodiversidade – hoje, apenas nove espécies de plantas representam 66% da produção total de cultivos; e os desafios para a preservação do meio ambiente.

Por outro lado, não há como ignorar a importância dos centros de entrepostagem alimentares atacadistas, nacionais ou estrangeiros. O Entreposto Terminal de São Paulo (Ceagesp) e a Zona Cerealista distribuem cerca de 20.000 toneladas por dia.

A mudança de endereço da Ceagesp para uma área seis vezes maior que os atuais 700 mil metros quadrados, na zona oeste da capital paulista, traz boas perspectivas. O entreposto já era considerado a maior central de abastecimento da América Latina, comercializando, mensalmente, algo em torno de 283 mil toneladas de produtos.

O esperado aumento da oferta deverá favorecer empresários, dada a maior competitividade de preços, além da ampliação da capacidade de armazenamento, incrementando ainda mais a oferta de bens de outras localidades.

Nossas centrais de abastecimento requerem, no entanto, iniciativas de combate, principalmente, ao crônico problema do desperdício. De todo alimento produzido hoje no mundo, um terço é desperdiçado. Ainda segundo a ONU, cerca de 821 milhões de pessoas sofrem com a fome e 1,5 bilhão não possuem micronutrientes fundamentais na sua dieta, como ferro ou zinco.

Medidas voltadas ao aprimoramento da compostagem, aos processos geradores de energia em larga escala a partir de resíduos, à rastreabilidade, à higienização e à padronização de produtos também influenciam diretamente na melhora da oferta, tanto em quantidade como em qualidade.

A segurança alimentar é, sem dúvida, um dos maiores focos de atenção mundial. A discussão sobre o tema se faz tão necessária quanto as ações que nos distanciarão (assim esperamos) do limite entre a produção sustentável e a escassez. 

*Abram Szajman é presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP)

*Algirdas Antonio Balsevicius, presidente do Sindicato do Comércio Atacadista de Gêneros Alimentícios no Estado São Paulo - Sagasp

Artigo originalmente publicado no jornal Folha de S.Paulo no dia 16 de outubro de 2019.