Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

04/09/2018

Azul Linhas Aéreas Brasileiras aposta na alta conectividade

Atualmente, empresa localizada em Campinas (SP) oferece voos para cerca de cem cidades brasileiras, além dos destinos internacionais

Ajustar texto: A+A-

Azul Linhas Aéreas Brasileiras aposta na alta conectividade

Estimativa da companhia é de abrir até dez novos destinos neste ano
(Arte: TUTU sobre fotos de Christian Parente)

Fundada em 2008, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras tem o objetivo de levar conexões aéreas às cidades nacionais, especialmente onde o serviço é deficitário ou inexistente. “A grande contribuição que a Azul pode trazer para o Brasil é olhar para esses locais e ajudar a conectá-los ao resto do País e do mundo”, comenta o vice-presidente financeiro, Alex Malfitani.

Em entrevista exclusiva à revista Comércio & Serviços, ele considera a proximidade com o cliente e a valorização de sua experiência como elementos fundamentais para quem busca o crescimento.

Veja também:
Espaços de coworking conquistam o mercado paulistano
“Self storage” é a solução a quem tem espaço reduzido para guardar pertences e documentos
Conselho de Turismo da FecomercioSP é contrário ao projeto de lei que limita preço de passagem aérea

Localizada em Campinas, a empresa optou em se instalar na cidade com 1,1 milhão de habitantes, por causa da ótima infraestrutura no Aeroporto de Viracopos e a alta demanda de uma região populosa e rica, que era mal atendida na época. “Hoje, temos uma combinação de infraestrutura, demanda local e alta conectividade. Em períodos de pico, chegamos a ter 180 voos por dia no aeroporto. Antes da Azul, não havia mais do que dez”, analisa Malfitani.

A aposta da companhia em um aeroporto fora do eixo principal da aviação brasileira foi certeira e ainda deve render muitos frutos ao setor aéreo. Hoje, a Azul voa de Campinas para 53 destinos diretos, além de atuar sozinha em 38 cidades, sendo três no exterior (Caiena, Fort Lauderdale e Lisboa). Ao todo, a empresa oferece voos para quase cem cidades do Brasil, enquanto a concorrência voa para 50. “A expectativa é de abrirmos de oito a dez novos destinos em 2018. Nos próximos anos, queremos chegar a 35 novas cidades, entre elas, Santa Cruz de La Sierra, Caruaru, Mossoró, Umuarama, Santos e Caçador”, estima.

Graduado em Engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e com MBA pela Kellogg School of Management, Alex Malfitani também atua à frente do Tudo Azul, programa de fidelidade da companhia com 11 milhões de associados.

Confira a entrevista completa na edição nº 57 da revista C&S, disponível aqui