Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

26/03/2021

Confiança do empresário do comércio de São Paulo cresce pela primeira vez em 2021

Melhora tímida não esconde pessimismo com o momento, expressado na cautela com os investimentos

Ajustar texto: A+A-

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) registrou a primeira alta em 2021: de 97,1 pontos, em fevereiro, para 98,5, em março – alta de 1,4%. Para a Federação, o número já expressa uma primeira reação do empresariado paulista à aprovação da nova rodada de auxílio emergencial, que começará a ser pago pelo governo federal em abril.

O contexto ainda incerto da pandemia de covid-19, no entanto, colabora para um cenário de pessimismo se comparado a março de 2020, no início da crise, quando o indicador marcava os 125,2 pontos – patamar 21,3% mais alto do que agora. Naquele mês, aliás, foi registrado o último melhor resultado da série histórica.

icec_maro_20_21

Entre os três indicadores que compõem o ICEC, o que mais subiu em março foi o Índice das Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC), que pergunta ao empresariado sobre a sua situação momentânea em relação à economia. A alta foi de 2,2%, puxada, principalmente, pelo quesito que apura as condições econômicas atuais, que cresceu 4,4% no mês, chegando a 51,6 pontos.

Por outro lado, se há alguma melhora na percepção da situação presente e do futuro próximo, a pesquisa mostra que os empresários estão segurando a mão em seus investimentos: depois de cair 4% em fevereiro, o Índice de Investimento do Empresário do Comércio (IIEC), que questiona os entrevistados sobre o quanto eles estão dispostos a investir nos negócios, retraiu 0,4% em março, fechando o mês com 87,2 pontos.

Para a FecomercioSP, isso é outro sinal inequívoco de que, em meio à pandemia, as empresas estão evitando investir, preferindo se precaverem – como a Federação tem orientado – de possíveis contextos ainda mais difíceis daqui para a frente.

Comércio dá sinais de reação

A melhora tímida na percepção dos empresários tem base, já que o Índice de Expansão do Comércio (IEC), que mede a propensão dos empresários por novos investimentos, teve a primeira alta em 2021, após dois meses de queda: dos 90,8 pontos, em fevereiro, para 91,6, em março – subida de 0,8%.

Na comparação com março de 2020 (109,9 pontos), porém, a queda é de 16,6%.

As duas retrações do IEC no começo deste ano interromperam uma curva crescente do indicador, que, desde julho de 2020, pouco a pouco voltava a atingir o patamar dos 100 pontos (em dezembro). O crescimento de agora foi puxado pela variável Expectativas para Contratação de Funcionários (ECF), que subiu 3,7% e fechou o mês em 115,5 pontos. Por outro lado, o Nível de Investimento das Empresas caiu 3,6%, aos 67,7 pontos.

iec_maro_20_21

Os dados dos indicadores levam a observar que o empresariado tem adotado, em geral, a orientação da FecomercioSP desde o início da pandemia: as incertezas econômicas pedem cautela.

No caso atual, isso se justifica ainda mais, não apenas pela alta da inflação e da valorização do dólar em relação ao real, mas também porque o auxílio emergencial não terá o mesmo peso do ano passado. O benefício de R$ 250, agora, afetará de forma mais branda do que quando era de R$ 600, no segundo trimestre do ano passado, e de R$ 300, nos meses seguintes.

Por tudo isso, é importante se ater, mais fortemente, ao planejamento da empresa: negociar políticas de preços, estimar vendas e controlar com mais rigor a movimentação dos estoques – como, aliás, já está acontecendo desde janeiro. O Índice de Estoques (IE) se mantém em alta em 2021 – 0,5%, entre fevereiro e março (102,9 pontos). Isso significa que há menos inadequação de estoque por parte dos empresários do comércio paulista.

ie_maro_20_21

Notas metodológicas

ICEC
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla a percepção do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País. São entrevistas feitas em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados). As questões agrupadas formam o ICEC, que, por sua vez, pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, contudo sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

IEC
O Índice de Expansão do Comércio (IEC) é apurado todo o mês pela FecomercioSP desde junho de 2011, com dados de cerca de 600 empresários. O indicador vai de 0 a 200 pontos, representando, respectivamente, desinteresse e interesse absolutos em expansão de seus negócios. A análise dos dados identifica a perspectiva dos empresários do comércio em relação a contratações, compra de máquinas ou equipamentos e abertura de novas lojas. Apesar desta pesquisa também se referir ao município de São Paulo, sua base amostral abarca a região metropolitana.

IE
O Índice de Estoque (IE) é apurado todo o mês pela FecomercioSP desde junho de 2011 com dados de cerca de 600 empresários do comércio no município de São Paulo. O indicador vai de 0 a 200 pontos, representando, respectivamente, inadequação total e adequação total. Em análise interna dos números do índice, é possível identificar a percepção dos pesquisados relacionada à inadequação de estoques: "acima" (quando há a sensação de excesso de mercadorias) e "abaixo" (em casos de os empresários avaliarem falta de itens disponíveis para suprir a demanda em curto prazo). Como nos dois índices anteriores, a pesquisa se concentra no município de São Paulo, entretanto sua base amostral considera a região metropolitana.