Economia

10/05/2019

Diálogo é principal forma de construir pontes na política, afirmam novos líderes

Lideranças do RenovaBR debatem os desafios dos primeiros dias de mandato durante evento nesta sexta-feira (10), na FecomercioSP

Diálogo é principal forma de construir pontes na política, afirmam novos líderes

Parlamentares concordaram ser possível ter influência política sem perder de vista os ideais e os projetos que o elegeram
(Foto: Rubens Chiri)

As mudanças positivas e efetivas na política ocorrem de forma lenta, mas são possíveis com a atuação de novas lideranças capacitadas. No evento “Primeiros 100 dias de Mandato”, parlamentares integrantes da iniciativa RenovaBR debateram nesta sexta-feira (10), na capital paulista, os principais desafios do atual governo desde o início de seus mandatos. O encontro gratuito foi organizado pelo RenovaBR, em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e o UM BRASIL.

Na ocasião, os debatedores enfatizaram a importância do diálogo com diferentes frentes para utilizar a política como a ferramenta transformadora que ela deve ser. “Cada vez gosto menos de falar em nova e velha políticas. Esse é um discurso usado para criminalizar o diálogo, e sem ele não há democracia. Falo da boa política porque, se eu acredito que a transformação vem pela política, ela por si só deveria ser uma coisa boa”, afirmou a deputada federal Tabata Amaral (PDT/SP).

Veja também:
"Partidos só pensam em si e pararam no tempo", afirma Leandro Machado
Democracia brasileira sofre processo lento de degradação
Brasil poderia crescer de forma vertiginosa com planejamento estratégico de longo prazo

Na abertura do evento, realizado na sede da Fecomercio em São Paulo, o presidente do conselho de administração da Somos Educação e idealizador do RenovaBR, Eduardo Mufarej, falou que alterações no comportamento da sociedade ampliam as possibilidades de incentivar uma mudança permanente na política. “Colocar a política num lugar ruim não tem ajudado o País. Temos de contribuir e colaborar com as pessoas que prezam pela ética e transparência e estão interessadas em entrar na política.”

O deputado federal Tiago Mitraud (NOVO/MG) acredita que a atual situação de faltas de transparência e de representatividade das quais a sociedade reclama são reflexos da falta de conhecimento e, principalmente, de interesse em acompanhar a política.

“Viramos as costas por muitos anos, e grupos dominantes ocuparam esses espaços por décadas. Sabemos que não vamos desfazer o que foi feito de uma hora para outra, mas contamos com a pressão da sociedade – que nunca esteve tão conectada com os acontecimentos – para defender as ideias de cada um em vez de atacar as pessoas”, destacou.

O afastamento de suas atividades e as prisões de políticos são contrárias ao pensamento comum de que não existe punição para eles. “As pessoas tendem a suavizar condições que não são nada normais, mas não é possível perpetuar certas práticas. E o período de um mandato tem chance de ter um impacto muito grande”, comentou o deputado estadual Renan Ferreirinha (PSB/RJ).

Para o deputado estadual Daniel José (NOVO/SP), “existem vários espaços de protagonismo onde é possível fazer a diferença [em contraponto ao fato de que mais da metade dos projetos se refere a mudanças de nomes de ruas e rodovias e a criação de datas comemorativas]”.

Os parlamentares concordaram ser possível ter influência política sem perder de vista os ideais e os projetos que o elegeram. "A questão primordial é saber o que dá para fazer sem abrir mãos dos nossos princípios e valores”, ressaltou o deputado federal Vinícius Poit (NOVO/SP).