Negócios

08/08/2019

Empresas e autoridades expõem desafios do comércio exterior ao governo federal

Em evento realizado pela FecomercioSP, secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, falou sobre o Mercosul e o avanço das negociações com outros blocos e países

Empresas e autoridades expõem desafios do comércio exterior ao governo federal

Para o secretário especial de Relações de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, Brasil precisa ser menos oneroso. "Ao cortar as amarras, vamos ficar mais leves e avançar" 
(Foto: Anderson Rodrigues / Perspectiva)

Autoridades e representantes de empresas atuantes no comércio exterior expuseram os principais desafios encontrados no setor em um encontro com o secretário-especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, realizado nesta quinta-feira (8), na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Durante o evento "Brasil rumo à abertura comercial", Troyjo falou para uma plateia composta por membros de conselhos da Entidade como Bayer, Santander,Usiminas, Estrella Galicia, Fedex, Beauty Brands & Docs, Braskem, Classy Brands, entre outras, além de diversas câmeras de comércio e cônsules. Os participantes puderam se inteirar do posicionamento do Poder Público frente as relações internacionais.

Veja também:
Plano de internacionalização facilita exportação de pequenos negócios
Conhecer cultura estrangeira favorece negócios fora do País
Globalização pode ampliar oportunidades para pequenas e médias empresas

O vice-presidente da Entidade e presidente do Conselho de Relações Internacionais, Rubens Medrano, entregou um ofício ao secretário que pede a análise de diversos itens como a morosidade na emissão de licenças sanitárias de funcionamento nas esferas municipal, estadual e federal; a burocracia para a emissão do Certificado de Venda Livre, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); a falta de clareza na legislação sobre rótulos de produtos alimentícios (Mapa) e a falta de comunicação entre as vigilâncias municipais, estaduais, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex). Esses avanços, se alcançados, podem melhorar o ambiente de negócios brasileiro e impulsionar o comércio exterior.

o_brasil_rumo_a_abertura_comercial_138Ofício entregue a secretário pede melhoria no ambiente de negócios brasileiro
(Foto: Anderson Rodrigues/Perspectiva)

Essa redução da burocracia facilitaria as operações das empresas dentro do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, negociação tida por Troyjo como um recomeço para o bloco sul-americano depois de um período de estagnação, registrado principalmente entre 2013 e 2016.

“Depois de um tempo desperdiçado para o Mercosul, fechamos com a UE um acordo abrangente e gigantesco. Agora, temos uma agenda internacional de negociação. O acordo é uma espécie de reinício do Mercosul e esse compromisso vira um catalisador de reformas internas do Brasil”, detalha o economista e cientista político.

Reformas

Troyjo também aponta a necessidade de unir cada vez mais as políticas econômica e comercial, comportamento adotado recentemente pelo Brasil e que foi fator fundamental na conclusão das negociações entre Mercosul e UE. Como exemplo, ele cita a nova constituição do Ministério da Economia com a junção de cinco pastas feita no começo do atual governo. Apesar das mudanças, ele destaca que o sucesso da economia brasileira depende ainda de reformas que precisam ser feitas, como a Previdenciária e a Tributária.

“O grande acordo que o Brasil precisa fazer é com ele mesmo em termos de Receita Federal e entraves logísticos. O País precisa ficar mais leve de forma a ser mais rápido. Ele precisa ser menos oneroso e ‘prender menos’. Ao cortar as amarras, vamos ficar mais leves e avançar”, afirma.

As mudanças já feitas até o momento permitem também o avanço de outras negociações do Mercosul, como a que está em andamento com a Associação Europeia de Comércio Livre (Efta, na sigla em inglês) grupo formado por Suíça, Islândia, Noruega e Liechtenstein, que não fazem parte da União Europeia.

Essa conversação é possível porque o acordo com a União Europeia se torna uma espécie de “jogo de espelhos”, que tem o poder de acelerar a conclusão de novas negociações comerciais. “Se fizemos uma radiografia detalhada, é possível identificar características comuns na ascensão econômica de diferentes países e não há um único milagre nessas últimas oito décadas que tenha sido feito sem ênfase especial no comércio exterior como mola propulsora do crescimento”.

Faça parte!

Se você tem interesse na melhoria do ambiente de negócios para que sua empresa possa crescer, conheça melhor a FecomercioSP. Você pode se tornar um associado e ter acesso a conteúdos e serviços exclusivos, além de descontos em eventos e outros benefícios.