Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

24/07/2015

Especialistas recomendam o que evitar ao estruturar um e-commerce

Apostar nos mesmos produtos para vender na loja física e na virtual e manter um só estoque para as duas são erros comuns

Ajustar texto: A+A-

Especialistas recomendam o que evitar ao estruturar um e-commerce

Por Jamille Niero
 
Ter um e-commerce não é para aventureiros. Para que o negócio funcione e sobreviva no mundo digital, é preciso estar atento para fugir de erros básicos que os empreendedores virtuais iniciantes cometem.
 
De acordo com o especialista em e-commerce Darcy Fonseca, o avanço da internet e de tecnologias digitais mudaram atitudes e comportamento das pessoas. No Brasil, segundo o IBGE quase metade (48%) da população usa regularmente a internet e o país é o segundo que mais gasta tempo em redes sociais, de acordo com pesquisa da comScore. “São elementos que afetaram o modelo de como as pessoas se relacionam, vivem, agem, acessam informação, trabalham, se entretêm e consomem”, observa Fonseca.
 
Ele explica que ao começar a estruturar seu e-commerce, o empreendedor precisa analisar alguns pontos, como o que motivaria o consumidor a comprar tais produtos em uma loja online. O erro é que, muitas vezes, por já possuir uma loja física, achar que o mesmo produto também venderá bem no virtual. Para os casos em que o empresário tem loja física e virtual, uma estratégia é oferecer via compra online algum complemento ao adquirido no físico. “Se o consumidor comprou um vestido, envie um e-mail com um preço especial para ele comprar online um colar ou uma bolsa que combine com a peça”, sugere.
 
Ainda pensando em quem já tem uma loja física e pretende montar um e-commerce, outro erro que não pode ser cometido é usar o mesmo estoque para as duas lojas. “A gestão do estoque precisa ser separada. Porque a estratégia de vendas no virtual normalmente é diferente da física. Se considerar 200 canecas pra venda no online e no físico, pode chegar um cliente de repente na loja física e querer todas de uma só vez e gerar conflito”, observa Marcilio Riegert, CEO da aceleradora de startups Start You Up.
 
Riegert destaca ainda que as campanhas de marketing costumam ser diferentes para vendas físicas e virtuais. “Enquanto o marketing com foco em vendas online é extremamente segmentado, normalmente no offline a ideia é atingir o máximo possível de pessoas”.
 
Outro erro comum e muito prejudicial é a falta de clareza nas informações. Seja na apresentação do produto, com imagens e descrição ruins, seja na exposição dos dados da empresa – como telefone e e-mail para contato. “Tem que ser generoso tanto na imagem quanto na descrição, porque a compra online não permite que a pessoa toque o produto. A única coisa que tem acesso é foto. Por outro lado, uma descrição eficiente aumenta a possibilidade de aparecer em buscas nos buscadores como o Google”, reforça Evanil de Paula, CEO da Gerencianet empresa especializada em gestão de pagamentos, cobrança e clientes.

Fechar (X)