Economia

13/08/2018

Estoque de trabalhadores formais do varejo na região de Presidente Prudente caiu 1,8% em maio, sendo o pior desempenho do Estado

Segundo a FecomercioSP, estoque ativo fechou com 37.303 trabalhadores formais, o menor da série histórica iniciada em julho de 2015

São Paulo, 13 de agosto de 2018 – O comércio varejista na região de Presidente Prudente fechou 200 postos de trabalho em maio, resultado de 1.087 admissões contra 1.287 desligamentos. No acumulado de 12 meses, 638 vagas celetistas foram fechadas. Com isso, o setor encerrou o mês com estoque ativo de 37.303 trabalhadores formais, o menor da série histórica iniciada em julho de 2015. Esse resultado do estoque representa uma queda de 1,8% em relação ao mesmo período de 2017, sendo o pior desempenho do Estado de São Paulo.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Das nove atividades analisadas, apenas o setor de lojas de móveis e decoração (1,7%) apresentou alta no estoque de trabalhadores na comparação com o mês de maio de 2017. Dentre os segmentos que registraram queda na mesma base comparativa, destacaram-se: lojas de vestuário, tecidos e calçados (-5,1%); e concessionárias de veículos (-4,2%).

Desempenho estadual

O comércio varejista no Estado de São Paulo eliminou 1.791 postos formais de trabalho em maio, resultado de 75.112 admissões e 76.903 desligamentos. Com isso, o varejo paulista encerrou o mês com um estoque de 2.061.288 vínculos empregatícios com carteira assinada. No acumulado de 12 meses, são 8.109 empregos formais a mais, o que reverte o cenário negativo observado nos três anos anteriores para o período.

Em maio, seis dos nove segmentos analisados registraram saldo negativo de empregos, com destaques para materiais de construção (-816 vagas) e para as lojas de vestuário, tecidos e calçados (-868 vagas). As farmácias e perfumarias impediram um resultado geral pior, ao abrirem 694 novas vagas.

Em relação a maio de 2017, cinco atividades registraram aumento do estoque de empregos com carteira assinada, com destaque para eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (3,1%) e para farmácias e perfumarias (2,8%). Por outro lado, lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,6%) e lojas de móveis e decoração (-1,5%) apontaram as maiores quedas na mesma base comparativa.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o varejo paulista registrou mais desligamentos do que admissões nos três primeiros meses do ano. Esse ajuste no quadro de funcionários já era esperado após a melhor época de vendas do ano, o Natal, principalmente nos segmentos de supermercados e de lojas de vestuário, tecidos e calçados. Em abril, o setor voltou a registrar saldo positivo de empregos com a abertura de 2.340 vagas, criando boas perspectivas para os meses seguintes.

Entretanto, segundo a Entidade, a paralisação dos caminhoneiros foi um fator determinante para o resultado negativo apontado em maio, pois, além de gerar uma crise de desabastecimento, a greve também criou um clima de incerteza, com reflexos negativos imediatos sobre a confiança dos consumidores e empresários e, consequentemente, sobre a geração de vagas com carteira assinada. Para a FecomercioSP, esse cenário deve impactar negativamente também os dados de junho.

Região de Presidente Prudente

Adamantina, Alfredo Marcondes, Álvares Machado, Anhumas, Caiabu, Caiuá, Dracena, Emilianópolis, Estrela do Norte, Euclides da Cunha Paulista, Flora Rica, Flórida Paulista, Iepê, Indiana, Inúbia Paulista, Irapuru, João Ramalho, Junqueirópolis, Lucélia, Marabá Paulista, Mariápolis, Martinópolis, Mirante do Paranapanema, Monte Castelo, Nantes, Narandiba, Nova Guataporanga, Osvaldo Cruz, Ouro Verde, Pacaembu, Panorama, Parapuã, Pauliceia, Piquerobi, Pirapozinho, Pracinha, Presidente Bernardes, Presidente Epitácio, Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Rancharia, Regente Feijó, Ribeirão dos Índios, Rinópolis, Rosana, Sagres, Salmourão, Sandovalina, Santa Mercedes, Santo Anastácio, Santo Expedito, São João do Pau d'Alho, Taciba, Tarabai, Teodoro Sampaio, Tupi Paulista. 

Nota metodológica

A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados; e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).