Economia

17/09/2018

Faturamento do setor de serviços na cidade de São Paulo atinge R$ 30,3 bilhões e registra o melhor junho desde 2010

Segundo a FecomercioSP, crescimento foi de 21,8% em comparação com o mesmo mês do ano passado

São Paulo, 17 de setembro de 2018 – O setor de serviços da cidade de São Paulo registrou faturamento real de R$ 30,3 bilhões em junho, a maior cifra já registrada para o mês desde 2010. Houve crescimento de 21,8% em relação ao mesmo período de 2017, que representa um acréscimo de R$ 5,4 bilhões nas receitas do setor. As vendas avançaram 15,5% no acumulado do semestre e 12,4% nos últimos 12 meses.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS), que traz o primeiro indicador mensal de serviços em âmbito municipal, elaborado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados de arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) do município de São Paulo, fornecidos pela Secretaria Municipal da Fazenda. O município de São Paulo tem grande relevância nos resultados estaduais e nacionais do setor de serviços, representando aproximadamente 20% da receita total gerada no País.

Das 13 atividades pesquisadas, oito apontaram aumento em seu faturamento real em junho em relação ao mesmo mês do ano anterior. São elas: mercadologia e comunicação (129,6%); agenciamento, corretagem e intermediação (43,5%); jurídicos, econômicos, técnico-administrativos (41,9%); educação (22,8%); serviços bancários, financeiros e securitários (21,4%); representação (4,7%); simples nacional (1,4%); e turismo, hospedagem, eventos e assemelhados (0,6%). Essas altas contribuíram positivamente para o resultado geral com 23,1 pontos porcentuais (p.p.).

Em contrapartida, os resultados negativos apurados no comparativo interanual ficaram por conta das seguintes atividades: construção civil (-11,5%); conservação, limpeza e reparação de bens móveis (-6,7%); outros serviços (-5,9%); técnico-científico (-4,2%); e saúde (-3,6%). Juntas, essas quatro atividades contribuíram negativamente com 1,3 p.p. para o resultado geral.

De acordo com a FecomercioSP, mesmo diante de incertezas no ambiente econômico e político do País atualmente, o setor de serviços na capital paulista vem registrando crescimento significativo em suas receitas, consolidando um ciclo de recuperação das vendas do setor. Por outro lado, algumas atividades seguem com resultados negativos, tais como construção civil e conservação, limpeza e reparação de bens móveis.

Esses serviços foram fortemente impactados pela crise econômica do País entre 2014 e 2016, o que afetou de forma significativa os investimentos públicos e privados e o mercado imobiliário brasileiro. Segundo a Entidade, a retomada desses segmentos dependerá da recuperação dos indicadores de emprego e renda.

*Nota técnica
A partir de fevereiro de 2018, foi adicionado à lista de serviços da PCSS, por meio da Instrução Normativa SF-Surem n.º 23, de 22/12/17, da Secretaria da Fazenda do Município de São Paulo, o código CNAE 02498, relativo a inserção de textos, desenhos e outros materiais de propaganda e publicidade, em qualquer meio (exceto em livros, jornais, periódicos e nas modalidades de serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita). Essa inserção impacta diretamente no faturamento da atividade de mercadologia e comunicação, que apresentará variações elevadas nos comparativos anuais até completar o ciclo de 12 meses da adição, em fevereiro de 2019.

Nota metodológica
A Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS) é o primeiro indicador mensal de serviços em âmbito municipal e utiliza informações baseadas nos dados de arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) do município de São Paulo, por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Prefeitura de São Paulo e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O indicador conta com uma série histórica desde 2010, permitindo o acompanhamento do setor em uma trajetória de longo prazo. As atividades foram reunidas em 13 grupos, levando em conta as suas similaridades e a representação no total do que é arrecadado do ISS no município. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas considerando a sinergia entre os municípios do entorno, os resultados refletem o cenário da região metropolitana.