Economia

13/12/2018

Faturamento real do varejo paulista cresce em setembro e alcança R$ 55,8 bilhões

Vendas do varejo mostraram aumento generalizado em 14 das 16 regiões pesquisadas pela FecomercioSP

Faturamento real do varejo paulista cresce em setembro e alcança R$ 55,8 bilhões

Aumento de 3,9% no faturamento mostra que setor vive bom momento; as atividades que se destacaram foram as de lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; e eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos
(Arte: TUTU)

O comércio varejista paulista deve manter nos meses finais de 2018 o mesmo ritmo de crescimento registrado no decorrer do ano. A retomada do crédito, a gradativa recuperação do nível de confiança dos consumidores e a melhora nos índices de emprego detectada no trimestre indicam que o varejo passa por um momento positivo.

Mesmo com essa perspectiva, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) recomenda que o varejista evite endividamento e grandes estoques. Essas situações em desequilíbrio podem prejudicar a vida financeira da empresa no início do próximo ano.

Veja também:
Varejo, atacado e setor de serviços paulista devem abrir mais de 99 mil novas vagas em 2018
Consumidor abate dívidas para um novo consumo de fim de ano
Varejo paulista segue trajetória de crescimento com o melhor Natal desde 2008

Entre janeiro e setembro deste ano, o setor obteve aumento de 5,2% nas vendas em comparação com o mesmo período de 2017, o que representa um faturamento R$ 24,2 bilhões superior – apenas em setembro, atingiu R$ 55,8 bilhões, 3,9% a mais que o mesmo mês do ano passado. Considerando a série histórica a partir de 2008, esse foi o terceiro maior resultado do varejo paulista para o mês. Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Entidade.

Das nove atividades pesquisadas, oito mostraram aumento em seu faturamento real em setembro, sendo elas: lojas de móveis e decoração (9,5%); lojas de vestuário, tecidos e calçados (9,1%); eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (7,8%); outras atividades (6,2%); materiais de construção (5,3%); autopeças e acessórios (2,8%); concessionárias de veículos (2,2%); e supermercados (1,8%). Essas altas contribuíram para o resultado geral com 3,9 pontos porcentuais. Apenas o setor de farmácias e perfumarias apresentou estabilidade (-0,1%) e não impactou no resultado da PCCV.

As vendas do varejo em setembro mostraram aumento generalizado em 14 das 16 regiões paulistas, indicando um bom momento do consumo no Estado de São Paulo. Apenas Presidente Prudente e Araçatuba sofreram queda nas vendas.

Presidente Prudente
Em setembro, o comércio varejista de Presidente Prudente apontou um faturamento de R$ 768,5 milhões, redução de 1,2% na comparação anual. Entretanto, no acumulado de janeiro a setembro, as vendas crescem 2,5%, o que significa um incremento de R$ 170 milhões para o varejo no período. Seis setores obtiveram resultados negativos, enquanto farmácias e perfumarias marcaram influência nula no resultado geral. Apenas as concessionárias de veículos e os supermercados da região apresentaram crescimento.

Araçatuba
O varejo de Araçatuba registrou um faturamento de R$ 836 milhões, queda de 1,6% em comparação ao o mesmo período do ano passado. Foi o pior desempenho regional da PCCV no mês. Contudo, no acumulado de janeiro a setembro, a região apresentou crescimento nas vendas de 3,3%, ou seja, R$ 242,5 milhões a mais que o mesmo período de 2017.

Das nove atividades monitoradas, sete sofreram queda nas vendas. Os setores de outras atividades e autopeças e acessórios registraram alta em setembro.

Capital paulista
As vendas do varejo na capital paulista apresentaram um crescimento de 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado, e o faturamento atingiu R$ 17,3 bilhões no mês. Com esses resultados, a taxa acumulada no ano foi de 3,9%, que, em termos de valores atuais, representa um incremento de R$ 5,8 bilhões em comparação ao apurado entre janeiro e setembro do ano anterior. Todas as atividades apontaram crescimento na capital, com exceção de farmácias e perfumarias, que sofreu retração de 0,4%.