Economia

28/03/2018

Índice de Expansão do Comércio cai 1,4% em março, aponta FecomercioSP

Segundo a Entidade, a queda no indicador é pontual e não interrompe o cenário de melhoria atual

Índice de Expansão do Comércio cai 1,4% em março, aponta FecomercioSP

Em relação à propensão a investir, o índice registrou alta de 33,5% no comparativo com o mesmo período de 2017
(Arte: TUTU)

O Índice de Expansão do Comércio (IEC) – calculado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) – caiu 1,4%, ao passar de 101,5 pontos em fevereiro para 100,1 pontos em março. Apesar do recuo, a Entidade avalia que o ritmo de melhoria não foi quebrado e que este é um momento de ajuste de expectativa, depois de repetidas altas. Na comparação com o mesmo mês de 2017, o índice apresentou elevação de 22,7%, quando registrou 81,5 pontos.

Em relação à propensão a investir, o índice registrou 84,2 pontos em março, alta de 33,5% no comparativo com o mesmo período de 2017, quando apontou 63,1 pontos. Segundo a Entidade, se a economia se mantiver em recuperação esse ano, a tendência é de que esse indicador cresça significativamente, subindo mais 10 pontos porcentuais (p.p.) ou 20 p.p. em relação ao atual patamar.

Veja também:
Comércio atacadista no Estado de São Paulo registra 805 novos empregos com carteira assinada em janeiro
Nível de adequação dos estoques do varejo paulistano fica praticamente estável em março, avalia FecomercioSP
Confiança do empresário do comércio cresce pelo segundo mês consecutivo e atinge o maior patamar desde janeiro de 2014

A FecomercioSP ressalta a importância de se consolidar o IEC, principalmente no quesito investimento, cujo objetivo é garantir que o crescimento perdure em longo prazo, assegurando não apenas a recuperação do emprego, mas também sua perpetuação.

Em relação à expectativa de contratação, o índice teve aumento de 16% em relação a janeiro de 2017, ao passar de 100 para os atuais 115,9 pontos, o que também é um excelente sinal, apesar da queda de 1,4% no comparativo mensal.

De acordo com a Federação, os investimentos devem ganhar força ao longo do ano. Se não houver grandes surpresas ou mudanças de rumo da política econômica e suas perspectivas – salientando que este é um ano eleitoral –, essa deve ser a tônica que pode mudar de forma mais definitiva os rumos da economia ao fim de 2018.