Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

17/08/2015

Internet prejudica o sono da maioria dos usuários na capital paulista

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 18 de agosto de 2015 - A maioria dos usuários da internet (53,7%) da cidade de São Paulo acredita que o acesso à web, jogos online e redes sociais impacta de maneira negativa as horas de sono e descanso.

Esse é um dos destaques da pesquisa inédita "O Comportamento dos Usuários na Internet", encomendada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e apresentada durante o VII Congresso Fecomercio de Crimes Eletrônicos e Formas de Proteção, entre os dias 18 e 19 de agosto.

Promovido pelo Conselho de Tecnologia da Informação da Entidade, o evento traz, neste ano, uma abordagem inédita com relação às edições anteriores. Além da segurança - tópico amplamente explorado todos os anos - a pesquisa incluiu, ainda, hábitos comportamentais, profissionais e sociais dos navegadores da web. Realizada no mês de junho, a apuração contou com 1.000 entrevistados no município de São Paulo e desvendou as motivações para o uso da rede, os dispositivos mais utilizados para o acesso, os aplicativos mais baixados, a influência da internet nas decisões de compra, as filtragens de informações e a utilização das redes sociais e o uso da internet nas interações e relacionamentos.

A maioria dos entrevistados (70%) afirma utilizar a internet pelo próprio dispositivo móvel; 82% recorrem à rede para se entreterem, enquanto 61,8% dizem utilizar a web para a busca de informações e 49,9% como ferramenta de trabalho. Grande parte dos internautas (88,7%) afirma baixar aplicativos em seus devices. Os mais baixados são os de redes sociais (85,1%), jogos (43,4%), localização (40,8%), bancários (36,8%) e notícias (23,7%).

Redes Sociais

A maior parte dos internautas paulistanos disse utilizar redes sociais (96,3%). A mais acessada continua a ser o Facebook (88,9%), seguida pelo WhatsApp (85,1%) e pelo Instagram (35,4%). 73,2% dos internautas disponibilizam apenas informações básicas (cidade, data de nascimento e e-mail) para o público em geral e a maioria (70,1%) afirma filtrar as informações possíveis de se obter sobre a sua identidade nas redes.

Responsabilidade

Em relação à responsabilidade por menores que utilizam a internet e as redes sociais, 19,1% afirmaram ser responsáveis. Destes, 85,1% controlam o uso por meio do acesso somente na presença do responsável (65,7%), por aplicativos que acompanham a navegação do menor (15,7%) ou pelo compartilhamento da senha (5,2%).

Segurança

Sobre solicitações de amizades de pessoas desconhecidas, 92,9% garantem já ter recebido notificações. 9,8% dos internautas disseram já ter sido vítimas do uso indevido de informações inverídicas postadas na rede, apesar de 95,3% informarem que não divulgam falsas informações sobre outras pessoas ou sobre si mesmo na rede. Mas 13,1% dos usuários já sofreram assédio, bullying ou algum tipo de perseguição, devido a informações disponibilizadas nas redes sociais.

Relacionamentos

Um pouco menos da metade (41,2%) dos internautas afirma já ter conhecido pessoas pela rede para relacionamentos afetivos. A mesma parcela (41,1%) também diz ter sofrido algum tipo de problema em relacionamentos afetivos devido ao uso das redes sociais.

O CGI.br e o NIC.br patrocinam o VII Congresso Fecomercio de Crimes Eletrônicos

Serviço
VII Congresso Fecomercio de Crimes Eletrônicos

Data: 18 e 19 de agosto
Horário: 9 horas
Local: FecomercioSP - Rua Plínio Barreto, 285 / Bela Vista - São Paulo-SP
Inscrições gratuitas: https://www.fecomercio.com.br/EventosInscricao/Get/13015