Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

11/04/2016

Itens saudáveis são aposta da vez entre corporações

Com os Jogos Olímpicos, crescem os negócios no ramo esportivo, alimentados pela mudança de comportamento dos brasileiros, que buscam qualidade de vida

Ajustar texto: A+A-

Itens saudáveis são aposta da vez entre corporações

Empresas investem na área esportiva, apostando na busca por qualidade de vida dos consumidores
(Perspectiva)

Com informações de Rachel Cardoso

Para quem tem espírito esportivo, até uma assadura pode se transformar em uma boa ideia de negócio. E foi assim, com base nas próprias dificuldades, que as corredoras Renata Chaim, Corina Cunha e Gisele Violin se viram “picadas” pelo empreendedorismo. A Pink Cheeks, marca de cosméticos para atletas, tem no DNA os problemas que o trio de amigas enfrentava a cada treino juntas: nós no cabelo e manchas na pele, além de assaduras por atrito, muito comum entre esportistas.

A formação profissional também ajudou. Renata é publicitária, Corina é farmacêutica e Gisele, administradora. “Cada ideia foi se transformando em realidade e, hoje, um projeto aparentemente descompromissado se tornou um empreendimento rentável, que demanda dedicação exclusiva”, conta Renata.

E foi após muitos testes nelas mesmas que a empresa de Leme, no interior de São Paulo, ganhou a rua e conquistou o mercado. Foram investidos R$ 40 mil inicialmente numa linha que se concentra na parte de filtros solares, leave-in (creme sem enxágue pós-lavagem) para cabelos e produtos protetores contra assaduras. O resultado pode ser conferido em números: o faturamento chega a R$ 2 milhões anuais.

A Pink Cheeks iniciou suas atividades oficialmente no ano de 2013, quando uma blogueira corredora, popular no Instagram, anunciou o uso dos produtos. A partir de então, a comunicação em rede impulsionou a marca, que alcançou um relevante crescimento.

Tamanho sucesso levou a farmacêutica Corina a investir na construção de uma indústria própria de cosméticos, a Apoteka, para produção de toda a linha de produtos Pink Cheeks.  “A Pink Cheeks representa hoje um marco no desenvolvimento de cosméticos voltados para a performance esportiva, abrindo um mercado praticamente inexistente no Brasil”, comemora Renata. 

Acessórios

Um corpo sarado, uma alimentação equilibrada, uma vida saudável. Cada vez mais os brasileiros buscam esses atributos e reservam boa parte do orçamento para ter acesso a produtos e serviços especializados. Atentos a esse filão, empresários de diferentes ramos investem para satisfazer o anseio dos consumidores que buscam melhores hábitos de vida. 

É o caso do empresário Carlos Martijn Nienhuys, que trouxe da Tailândia inspiração para o primeiro empreendimento: toalhas refrescantes. Trata-se de um produto para quem pratica esporte, mas ganhou espaço também no segmento de brindes, com as marcas de patrocinadores estampadas na embalagem.

 As Cool Towels só precisam ser retiradas daembalagem e ser balançadas para que o contato com o ar ative sua fórmula. O objetivo é auxiliar na termorregulação do atleta e propiciar maior bem-estar. Feitas 100% em algodão, as toalhas aliviam o calor e, consequentemente, deixam o atleta mais disposto a continuar a competição.

Para potencializar o efeito refrescante da toalha, é só colocá-la na geladeira, explica Carlos. Se for colocada no congelador, pode ser usada como compressa de gelo. Depois de seca, é só umedecê-la que a fórmula é reativada. Ela só perde seu efeito depois de lavada, mas pode continuar sendo usada como toalha normal: “Não foi aquele sucesso todo que eu esperava e continuei a buscar inovações para o setor”, avalia o empresário.

O setor deve ganhar ainda mais impulso nos próximos anos. Com a realização das Olimpíadas no Rio de Janeiro, a atmosfera esportiva tende a mexer com os ânimos da população. Isso tudo deve estimular a vontade das pessoas de serem atletas.

Confira a reportagem na íntegra, publicada pela revista C&S.