Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Editorial

28/10/2021

O trabalho depois da pandemia

Como sempre, a digitalização destruirá e criará oportunidades de trabalho que requerem habilidades ainda escassas

Ajustar texto: A+A-

O trabalho depois da pandemia

Por isso, é crucial aproveitar esta “trégua” para intensificar a qualificação dos brasileiros
(Arte: TUTU)

*Por José Pastore

Brasil de R$ 400 ajudará a elevar o poder de compra, o consumo e a oferta de trabalho. O consumo engrossará também pelas pessoas que estão ávidas por uma viagem de férias, por participar de eventos sociais, culturais e esportivos, lotando os parques e restaurantes, como já ocorre. Enfim, os brasileiros estão loucos para voltar aos encontros do cotidiano.

O quadro já está melhorando, tanto no segmento formal quanto no informal, ainda que com salários mais baixos. Em vários setores já falta mão de obra, o que está levando as empresas a acelerar a incorporação de tecnologias. É o caso da profusão do QR Code nos restaurantes; da expansão das compras por internet; da robotização e inteligência artificial em várias atividades.

Leia mais sobre o assunto
Qualificação é a chave para lidar com o desemprego, o desalento e a informalidade
A melhora do emprego já impacta as vendas no comércio?
O emprego dos jovens

Não há dúvida, a volta dos serviços será geradora de muitas oportunidades de trabalho ao longo de 2022. As eleições gerais impulsionarão o trabalho temporário, que, aliás, já está bombando.

O resultado só não será melhor por causa da escalada dos juros, do desarranjo das cadeias globais de valor e da desconfiança dos investidores no governo de plantão.

Como sempre, a digitalização destruirá e criará oportunidades de trabalho que requerem habilidades ainda escassas. As escolas profissionais Senai, Senac, Senar e outras terão de intensificar a preparação das pessoas, tornando-as capazes de fazer os trabalhos demandados por uma economia que exige profissionais mais qualificados. Hoje, apenas 8% dos atuais trabalhadores passam por escolas profissionais e só 18% concluem cursos superiores, muitos deles de má qualidade. As empresas terão de participar da qualificação indicada de modo contínuo, dando mais atenção aos aprendizes.

Mas não devemos exagerar quanto à demanda por pessoal qualificado. Afinal, 70% dos atuais postos de trabalho estão em setores debaixo conteúdo tecnológico. A mudança está em curso, é verdade, mas não será instantânea. Por isso, é crucial aproveitar esta “trégua” para intensificar a qualificação dos brasileiros.

Saiba mais sobre o Conselho de Emprego e Relações do Trabalho

*José Pastore é Presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da FecomercioSP.
Artigo originalmente publicado no jornal O Estado de S.Paulo em 28 de outubro de 2021.

Fechar (X)