Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

23/08/2018

Produtos como pão e gasolina podem ser afetados com a alta do dólar, aponta FecomercioSP

Segundo a assessoria econômica da Entidade, se a tendência de alta do dólar persistir, consumidor brasileiro terá que gastar mais com produtos do dia a dia

Ajustar texto: A+A-

Produtos como pão e gasolina podem ser afetados com a alta do dólar, aponta FecomercioSP

Tendência do câmbio atual é de que o País tenha sérios problemas fiscais e, consequentemente, inflacionários
(Arte: TUTU)

A incerteza gerada pelo período eleitoral afetou também o dólar. Nesta semana, a moeda americana superou os R$ 4 e acendeu o sinal de alerta dos mercados. De acordo com a assessoria econômica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o País, atualmente, vive mais períodos de sobressalto do que de normalidade política, o que acaba por tornar o mercado financeiro extremamente arisco.

As reações mais evidentes em decorrência do humor dos mercados se verificam no Ibovespa e no câmbio (reais por dólares). Ainda segundo a Entidade, o problema não é efetivamente saber se o dólar está acima dos R$ 4, mas se o câmbio se estabilizará nesse valor ou se subirá mais e constantemente.

Veja também:
Enfraquecimento da economia reduz ritmo de recuperação do mercado de trabalho e resultado deve aparecer em 2019
Política de preços mínimos para fretes rodoviários é arcaica e configura intervenção do Estado na economia
Banco Central mantém Selic em 6,5% e indica que a taxa não deve cair mais neste governo, avalia FecomercioSP

Caso persista a tendência de alta, alguns produtos como o pão (que tem o trigo cotado em dólar), a gasolina (cujos reajustes consideram a cotação do petróleo no mercado internacional), entre outros produtos importados ficarão mais caros. Itens como azeite, vinhos e peixes (com destaque para bacalhau e salmão), eletroeletrônicos e viagens internacionais também serão afetados.

Segundo a FecomercioSP, o câmbio atual revela o receio de que a vertente reformista não tenha vida fácil no processo eleitoral, e, com isso, a tendência de acordo com o raciocínio dos mercados é de que o País tenha sérios problemas fiscais e, consequentemente, inflacionários. Esses fatores trariam uma crise de confiança para o Brasil, desestimulando investimentos e geração de empregos – e o câmbio continuaria se desvalorizando.

Entretanto, essa hipótese ainda é pequena. Para a Federação, não parece razoável que o Banco Central fique parado olhando o câmbio se desvalorizar ininterruptamente sem atuar, sabendo que isso teria efeitos muito grandes sobre a inflação. Também não parece razoável que qualquer candidato que seja eleito queira assumir um ambiente de terra arrasada, avalia a Entidade.