Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

18/01/2016

Produtos tradicionais das dietas de emagrecimento ficam mais caros em 2016, alerta FecomercioSP

Preços do subgrupo Alimentação no domicílio subiram 12,92% em 2015

Ajustar texto: A+A-

Produtos tradicionais das dietas de emagrecimento ficam mais caros em 2016, alerta FecomercioSP

Quem optar por uma dieta rica em proteínas, também vai se deparar com valores mais salgados
(Arte TUTU)

Em todo início de ano, muitas pessoas começam uma dieta com a promessa de mais qualidade de vida. Mas, em tempos de inflação e de crise econômica, a iniciativa de ser saudável pode sair mais cara ao bolso do consumidor. Um levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados de dezembro do IPCA, mostra que a dieta pesará mais no bolso do brasileiro em 2016.

No acumulado de 2015, os preços do subgrupo Alimentação no domicílio apresentaram alta de 12,92%. As frutas, boa opção de alimento no intervalo entre as refeições, subiram 15,23%. Entre os itens que mais subiram ao longo dos últimos 12 meses, o grande destaque ficou por conta do abacate, que registrou alta no preço de 119,52%. Destaque também para tangerina (40,69%), laranja-baía (38,51%), pera (33,63%) e maçã (25,78%).

Os ingredientes da salada, uma dos principais aliadas na perda de peso, também ficaram mais caros. Nos últimos 12 meses, os preços da cebola e do tomate subiram 60,61% e 47,45%, respectivamente. Complementam a lista repolho (33,27%), couve-flor (22,64%), alface (17,54%), brócolis (15,66%) e palmito em conserva (14,32%). Até alguns produtos utilizados para temperar as saladas estão com preços mais elevados, como vinagre (14,32%), limão (11,8%) e sal (11,1%).

Quem optar por uma dieta rica em proteínas, também vai se deparar com valores mais salgados. Os preços do subgrupo Carnes acumularam alta de 12,48% nos últimos 12 meses. Entre as maiores altas estão filé-mignon (16,05%), fígado (15,15%) e contrafilé (13,6%), mas as carnes com menos gordura, como patinho (13,23%) e alcatra (10,65%), ficaram igualmente mais caras.

Os preços dos ovos e do leite (também ricos em proteínas) subiram 18,55% e 8,1%, respectivamente, enquanto o frango inteiro e frango em pedaços tiveram elevação de 13,42% e 3,43%. Entre os peixes, os itens que mais subiram de preço foram: merluza (35,41%), cavalinha (33,64%), anchova (23,46%) e salmão (20,5%).

Já os preços dos cursos relacionados à atividade física subiram 5,67% em 2015, bem abaixo da inflação média do período (10,67%). Para quem já frequenta academia, normalmente a mensalidade é reajustada pelo IGP-M, que em 2015 acumulou variação de 10,54%.

Metas do ano

As dietas deixaram de ser apenas um desejo de ano novo e se tornaram metas. Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil mostrou que o principal objetivo do brasileiro para 2016 é pagar dívidas. Entre as promessas mais citadas pelos brasileiros estão: pagar dívidas em atraso (36,8%), fazer atividades físicas (34,3%), comprar e/ou trocar de carro (27,6%) e perder peso (27,5%).

info-preo_dos_alimentos