Legislação

31/05/2019

Proposta de simplificação tributária prevê pagar tributo com crédito de outro

Projeto alternativo à Reforma Tributária também inclui cadastro único para empresas e regra equivalente para pagamento e ressarcimento de impostos

Proposta de simplificação tributária prevê pagar tributo com crédito de outro

Parte dos anteprojetos de simplificação tributária pode ser viabilizada com mudanças ou acréscimos no CTN
(Arte/Tutu) 

Como seria a vida do empresário brasileiro caso um único cadastro viabilizasse as operações da empresa em todo o território nacional, pudesse compensar o pagamento de um tributo com o crédito de outro e, ainda, fosse restituído pela administração pública com valores corrigidos e atualizados? Atualmente, nada disso acontece. Portanto, não é preciso refletir muito para entender que o sistema tributário brasileiro necessita de mudanças para se tornar mais justo, prático e propositivo.

Para solucionar essas e outras questões, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) elaborou uma proposta que traz 12 anteprojetos de simplificação tributária capaz de melhorar o ambiente de negócios nacional, sendo que muitas delas podem ser viabilizadas por meio de mudanças ou acréscimos no Código Tributário Nacional (CTN).

Veja também
CAT discute Código de Defesa do Contribuinte da capital paulista com presidente da Câmara Municipal
“Simplificação tributária é a bola da vez”, afirma diretor do Confaz em reunião do CAT
FecomercioSP apresenta a deputados medidas para melhorar o ambiente de negócios no País

Um dos anteprojetos trata da possibilidade de compensar o pagamento de um tributo com o crédito a receber de outro, contanto que sejam de competência do mesmo ente federativo (União, Estado ou município). Dessa forma, o contribuinte poderia, por exemplo, usar a restituição de imposto de renda para recolher a contribuição ao INSS, posto que ambos são de competência da União. Hoje, isso não é possível, o que faz com que o contribuinte tenha de quitar um débito mesmo tendo crédito a receber do mesmo ente federativo.

Para realizar essa mudança, basta alterar a Lei n.º 5.172, que instituiu o CTN, acrescentando um artigo prevendo tal prática, tornando o sistema mais ágil e eficiente.

Entre as distorções da tributação no Brasil, destaca-se a diferenciação de encargos incidentes sobre a cobrança de tributos devidos e o ressarcimento de créditos tributários de direito do contribuinte.

Enquanto o devedor deve arcar com multa, mora, juros e valores corrigidos pela taxa Selic, o Estado utiliza critérios diferentes para restituir ou ressarcir o contribuinte, muitas vezes se limitando a pagar o valor nominal – portanto, não atualizado – do tributo.

Em sua proposta, a FecomercioSP não define o cálculo que os fiscos – Receita Federal, secretarias estaduais da Fazenda e secretarias municipais de Finanças – devem utilizar, mas defende que seja o mesmo aplicado ao recolhimento de tributo devido por parte de cidadãos e empresas.

Também vale destacar que a proposta da Federação prevê reduzir substancialmente a burocracia sobre o empreendedorismo. Nesse sentido, a unificação cadastral empresarial substituiria os atuais registros para cada ente federativo – CNPJ e inscrições estaduais e municipais –, o que, ainda, contribui para dar celeridade ao desempenho das funções fiscalizatórias da administração pública.

Fruto de um trabalho conjunto dos conselhos Superior de Direito e de Assuntos Tributários da FecomercioSP, os 12 anteprojetos foram elaborados pelo jurista Ives Gandra Martins e pelo ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel como alternativas à Reforma Tributária.

Saiba mais sobre propostas de desburocratização na edição n.º 62 da revista C&S.

A edição n.º 452 da revista Problemas Brasileiros, que pode ser encontrada nas melhores bancas e livrarias do País, também trata da carga tributária brasileira e do retorno desse dinheiro aos contribuintes.