Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

03/11/2015

Rapidez e eficiência nas entregas é desafio para o e-commerce

Consumidores exigentes procuram por prazos curtos e serviços eficientes

Ajustar texto: A+A-

Rapidez e eficiência nas entregas é desafio para o e-commerce

Rapidez, eficiência e prazos são requisitos básicos para quem busca sucesso no ramo do comércio eletrônico. E para atender clientes exigentes o investimento em logística é fundamental.

Da manutenção dos estoques à estratégia de distribuição e rastreabilidade, o processo de logística envolve custos com a compra de softwares específicos que ajudam na otimização de processos.

Outro ponto importante, segundo o professor de Logística da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas, Mauro Roberto Slutter, é a centralização dos estoques por parte dos fornecedores.

“É como um compartilhamento de estoques. A indústria já tem disponibilizado esta opção, que permite praticidade, além de economia, uma vez que não é preciso custear local para armazenar e com transportar.”

No entanto, no caso de um e-commerce pequeno, o desafio de gestão de estoques se mantém, já que os custos com as empresas de logísticas ficam inviáveis. Desta forma, o empresário com demandas menores precisa contar com o sistema de entrega dos Correios. Para isso, é indicado restringir as regiões de atendimento, evitando descumprir prazos.

Confiabilidade

Segundo os especialistas, atrasar entregas é um erro crucial. Para se ter ideia da importância do cumprimento de prazos, uma pesquisa realizada por Slutter durante seu mestrado apontou que a confiabilidade na entrega tem mais peso que os preços dos produtos adquiridos no e-commerce.

“Trata-se de uma questão estratégica”, diz o professor de logística, que considera mais indicado que o empresário ofereça um prazo maior sem correr o risco de não conseguir fazer suas entregas.

Os atrasos podem levar, além da perda do cliente, a queixas nas redes sociais e nos órgãos de defesa do consumidor, causando danos à imagem da companhia e, consequentemente, aos negócios.