Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

23/03/2015

Reflexos da burocracia no desenvolvimento do Brasil são analisados em documentário

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 24 de março de 2015 - O peso do emaranhado burocrático brasileiro na abertura e na gestão do negócio e seu reflexo na produtividade das empresas, que deixam o País sempre em baixa colocação nos rankings de competividade, são o foco do documentário em vídeo Pensando o Brasil - Burocracia, lançado hoje pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), em seu canal do YouTube.

A produção é a segunda parte de um projeto que mostra um "olhar de fora" que tem como objetivo investigar e entender o Brasil e os brasileiros. Foram entrevistados pelo jornalista Adalberto Piotto especialistas estrangeiros e brasileiros - mas que atuam no exterior - das esferas político-econômica, cultural e social, com a proposta de reunir a percepção de cada um sobre o tema.

Os especialistas destacaram problemas como leis e mecanismos de proteção comercial antiquados. "O Brasil é um país fechado que recorre a mecanismos de proteção comercial antigos", comenta o conselheiro sênior do Banco Mundial, Otaviano Canuto. Já o presidente do instituto de análise política Inter-American Dialogue, Peter Hakim, frisou que "o Brasil é uma das economias mais fechadas do mundo, com leis da época de Getúlio Vargas".

A baixa produtividade, gerada pela falta de competição, e a ineficiência das empresas brasileiras também foram lembradas pelos entrevistados como resultado da burocracia que impera no País. O diretor do Instituto Brasil do Wilson Center, Paulo Sotero, observou que "na medida que a economia brasileira não está exposta à competição, vai se acomodando e perdendo competitividade". Para o professor de Ciências Políticas da Universidade de Rutgers, Robert Kaufamn, "os portos são o retrato da ineficiência. Os caminhões fazem filas de quilômetros por dia".

Entre os entrevistados, estão ainda o professor de Relações Internacionais da Universidade de Harward, Hussein Kalout; o diretor do Programa de Relações Econômicas Internacionais da American University, Arturo Porzecanski; a economista do Banco Mundial e coordenadora do estudo Doing Business, Rita Ramalho; e o diretor do Columbia Global Center, Latin America, Thomas Trebat.

As próximas etapas do projeto incluem a divulgação das 13 entrevistas na íntegra, até junho, no canal do YouTube da FecomercioSP. Esta produção pode ser vista aqui

Projeto

O projeto teve início ainda no começo de 2014. A primeira fase envolveu a produção de uma série de vídeos - veiculados na página oficial da Entidade no YouTube - e  intitulada como Revista FecomercioSP, que promoveu uma discussão aprofundada sobre os problemas do País em seus diferentes aspectos.

A produção envolveu expoentes do pensamento brasileiro, como o historiador Marco Antonio Villa, o antropólogo Roberto Damatta, o filósofo Roberto Romano e o psiquiatra e psicanalista Jorge Forbes, além de outras personalidades como Laurentino Gomes e Luiz Felipe Pondé. As entrevistas, conduzidas pelo jornalista Adalberto Piotto, resultaram na publicação do livro Um Brasil.

O projeto prevê ainda o lançamento de outros impressos, a exemplo do Um Brasil, e promete aproximação com instituições de ensino para disseminação de seu conteúdo.