Negócios

17/10/2018

Registro internacional de marca valoriza exportação de bens e serviços

Procedimento é um recurso importante contra cópias ilegais e demonstra qualidade ao consumidor

Registro internacional de marca valoriza exportação de bens e serviços

Produto com marca registrada ganha valor para competir nos mercados internacionais
(Arte/Tutu)

Atribuir uma marca a um produto é uma maneira de valorizá-lo e diferenciá-lo no mercado. Isso porque, em geral, a marca demonstra ao consumidor que, por trás de um bem ou serviço, há trabalho de pesquisa, desenvolvimento e esforço intelectual – características que valorizam o produto, sobretudo a sua inserção em um mercado estrangeiro.

No Brasil, o registro da marca deve ser feito no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A documentação confere à empresa exclusividade sobre um nome e um logotipo que identifique seus bens e serviços. Esse procedimento, no entanto, limita-se ao território nacional. Dessa forma, é importante que o exportador registre suas ofertas em outro país com significativo papel no comércio internacional.

Veja também
Mudanças de política externa beneficiariam exportações brasileiras
Exportador deve conhecer as barreiras comerciais antes de iniciar operação internacional
Empresas devem avaliar capacidade de produção para exportar
Feiras no exterior são ótimas oportunidades para internacionalização dos negócios
Estudo de mercado é peça-chave para exportação

Para realizar esse procedimento, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) orienta o empresário a procurar um escritório especializado em registros internacionais de marcas e patentes. O processo exige instrução especializada e deve ser visto como um investimento.

Além de atestar qualidade, a marca registrada impede que o produto seja copiado ilegalmente. Quando o bem ou o serviço não é devidamente registrado, cópias não podem ser apreendidas em cumprimento a uma ordem judicial, por exemplo. Ademais, um produto sem registro enfrenta uma concorrência mais acirrada, restringindo a aferição de lucros.

Portanto, é de interesse da própria empresa preservar seus bens e serviços produzidos com base em pesquisa e desenvolvimento. Registrar a marca garante segurança e valorização para competir nos mercados internacionais.