Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

27/07/2015

Segurança em armazenamento em Big Data exige políticas de uso da rede

Criptografia é considerada um dos meios mais eficientes para a segurança em Big Data

Ajustar texto: A+A-

Segurança em armazenamento em Big Data exige políticas de uso da rede

Por Deisy de Assis

A inteligência tecnológica Big Data é um recurso utilizado não apenas para armazenar e processar dados, mas também cruzá-los entre si, permitindo às empresas organizar informações para a estruturação de ações estratégicas. Para a segurança de dados, são necessárias políticas de uso da rede e qualificação profissional nas operações em Big Data.

Até pouco tempo, as empresas armazenavam suas informações separadamente e, caso fosse preciso relacioná-las era necessário um longo plano que demandava tempo. “Hoje a inteligência da Big Data permite isso com facilidade. O desafio é assegurar dados tão estratégicos”, diz o COO de produtos da Globalweb Corp, Marco Zanini.

Especialista em gestão da informação de segurança e sistemas de criptografia, Zanini ressalta que é necessário investir em softwares com sistemas restritivos. “A criptografia, que codifica as informações tornando-as disponíveis apenas mediante senhas, é uma das soluções mais eficientes”, afirma.

Segurança na rotina interna

Por outro lado, se as senhas não forem complexas, os dados se tornam vulneráveis. De acordo com a diretora da Unidade de Combate a Crimes Digitais da Microsoft no Brasil, Vanessa Fonseca, é comum que as empresas invistam fortemente em meios de segurança contra ataques externos, mas deixem de lado a segurança interna.

“Implantar uma política rígida de uso da rede aos profissionais, bem como utilizar senhas complexas e alterá-las com frequência são medidas imprescindíveis”, explica Vanessa.

O cientista de dados Ricardo Cappra, especialista em Big Data, sugere que os profissionais sejam capacitados para lidar com essas informações e criar um sistema de hierarquia para o acesso.

Cappra explica que é preciso verificar esses itens ao contratar o serviço de Big Data de empresas terceiras, exigindo garantias. No caso da opção por implementar o sistema internamente, profissionais preparados devem gerir as operações.

Esses e outros assuntos relacionados à segurança nas redes serão abordados durante as palestras do VII Congresso de Crimes Eletrônicos, que acontecerá nos dias 18 e 19 de agosto. Inscreva-se!