Economia

05/10/2018

Setor de turismo paulista volta a eliminar vagas com carteira assinada em julho, aponta FecomercioSP

De acordo com a Entidade, 365 postos de trabalho formais foram fechados no mês, com destaque para os segmentos de alimentação e de eventos

São Paulo, 05 de outubro de 2018 – O mercado de trabalho existente por causa da demanda de turistas, seja a lazer, seja a negócios, voltou a eliminar empregos com carteira assinada no Estado de São Paulo em julho. Ao todo, 365 vagas foram fechadas no período e, assim, o setor de turismo paulista encerrou o mês com um estoque ativo de 275.727 trabalhadores formais, praticamente estável (0,1%) em relação a julho de 2017. No acumulado de 12 meses, 138 empregos com carteira assinada foram gerados.

Os dados são da Pesquisa de Emprego do Setor de Turismo no Estado de São Paulo (PESP Turismo), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Segundo a Entidade, no mês, o desempenho geral negativo foi determinado pelos segmentos de alimentação e de eventos com 143 e 117 vínculos celetistas extintos, respectivamente. O destaque positivo ficou com o grupo transportes, que registrou mais admissões do que desligamentos pelo sexto mês consecutivo, com a abertura de 29 vagas.

Três das sete atividades analisadas tiveram queda no número total de empregos formais, em comparação com julho do ano passado, com destaque para comércio direcionado (-2,4%); e de alimentação (-0,6%), que encerraram, respectivamente, 88 e 393 vínculos empregatícios. Por outro lado, os segmentos de agências e operadores (1,85%); e de eventos (1%) apontaram as maiores variações na mesma base de comparação, com a abertura de 437 e 172 vagas celetistas.

A presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, afirma que "muito embora se verifique um desempenho negativo, com corte de 365 vagas, o número é relativamente pequeno comparado ao saldo total de empregados. Desde janeiro, a PESP Turismo oscilou com quatro meses de fechamento de vagas e três de abertura. É um cenário claro de que os agentes econômicos, consumidores e empresários, estão aguardando um momento mais estável para tomar decisões de consumo e investimento".

A assessoria econômica da Federação avalia ainda que o mercado de trabalho do setor passa por um processo de estabilização, pelo menos desde o segundo trimestre de 2017, alternando saldos positivos e negativos mês a mês. Por mais que a economia tenha melhorado nos últimos meses, ainda não foi o bastante para incentivar o investimento do setor em mão de obra. Seja pela forma diminuta desta melhora, seja pela incerteza bastante presente no ambiente econômico brasileiro em 2018. Em julho, o resultado foi pontualmente negativo pela redução da empregabilidade nos restaurantes também pelos serviços de organização de eventos, principalmente na Capital.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Setor de Turismo do Estado de São Paulo é elaborada a partir de informações da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) e do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Nela são contempladas 85 atividades de acordo com os respectivos CNAES (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) de subclasse 2.0, divididos em atividades predominantemente turísticas e não predominantemente turísticas.

Para atingir o objetivo de mensurar o mercado de trabalho existente unicamente devido a demanda de viajantes, de lazer ou trabalho, nas atividades não predominantemente turísticas, foram identificados quais dos 645 municípios do Estado de São Paulo possuem mercado de trabalho com média superior de vínculos em comparação a base de referência estadual. Para isso se utilizou o tradicional medidor de vocação locacional, o Quociente Locacional (QL). Como aplicação dele, se permite através de percentuais estimados do estoque ativo de vínculos formais atingir uma projeção do tamanho do mercado de trabalho do setor de turismo da economia paulista.