Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

12/03/2021

Turismo de base comunitária inova ao proporcionar imersão do turista em comunidades locais

Em webinário da série “Mulheres Empreendedoras”, fundadora do Vivejar conta como segmento se destaca ao inserir o turista na cultura regional

Ajustar texto: A+A-

Turismo de base comunitária inova ao proporcionar imersão do turista em comunidades locais

Turismo comunitário proporciona vivências e inserção do visitante em culturas específicas
(Arte/Tutu)

Movido por paisagens encantadoras e passeios memoráveis, o turismo é um setor que tem grande potencial para inovação. As novas práticas, contudo, podem residir numa abordagem diferenciada desta forma de lazer, enfatizando as vivências e, sobretudo, a inserção do turista em comunidades locais, tornando, assim, a visita uma experiência singular.

Isto é o que se chama de “turismo de base comunitária”, de acordo com a turismóloga e fundadora da Vivejar, Marianne Costa. No webinário Experiências Turísticas que Transformam, realizado na última terça-feira (9) como parte da série Mulheres Empreendedoras, organizada pela FecomercioSP, Marianne explicou do que se trata o segmento ao qual se dedica.

“Quando falamos em turismo de base comunitária, estamos falando da forma de organização do turismo e das experiências proporcionadas ao turista. Falamos do protagonismo da comunidade e da escolha das atividades oferecidas ao visitante”, destacou.

Veja também
Parcerias, rede de apoio e digitalização são os aprendizados de 2020 que vieram para ficar
Projeto foca na renda feminina para fazer a economia crescer; ouça

Segundo ela, em destinos turísticos tradicionais, é comum observar as feiras de artesanato, os restaurantes especializados na culinária local e as atividades profissionais que movimentam a economia da região. Estas particularidades, muitas vezes, servem apenas de pano de fundo. No turismo de base comunitária, ocorre justamente o contrário: elas são o carro-chefe.

“O turismo de base comunitária é contar e proporcionar histórias. O artesão, os artistas, os contadores de história são remunerados pelo que fazem. Muitas vezes, no turismo tradicional, vemos a comunidade como coadjuvante, passando despercebida”, ressaltou, diferenciando as modalidades.

Marianne conta que a Vivejar – operadora de viagens especializada em turismo comunitário no Brasil – trabalha tanto com as comunidades, organizando atividades locais de lazer, cultura e culinária, quanto com os turistas, na elaboração de roteiros e na programação. Inclusive, o intuito da experiência é inserir o turista no dia a dia da comunidade, de modo que ele possa até mesmo conviver com os residentes da região.

“Vejo neste tipo de experiência uma superoportunidade de inovação e de agregar valor ao turismo. Entretanto, é preciso despertar o olhar do turista tradicional para ela”, ponderou Marianne.

A presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, salientou que ainda há muito o que explorar no turismo de base comunitária, indicando novas possibilidades de negócio caso o empreendedor seja “capaz de fazer a ponte entre a prática e o gestor público que, talvez, ignore o que esteja acontecendo”.

Assista ao webinário na íntegra clicando aqui.

Mês das mulheres

Em março, a FecomercioSP realiza diversos encontros especiais com grandes empreendedoras, destacando os desafios e as boas práticas nos negócios, além da visibilidade e da liderança da mulher em empresas inovadoras e bem-sucedidas.

Os webinários ocorrem às quintas-feiras, às 14h. Além deles, teremos o próximo encontro especial de turismo no dia 23 de março, às 17h.