Economia

26/02/2019

Varejo da região de Osasco encerra 2018 com alta de 1,8% na geração de empregos formais

Segundo a FecomercioSP, a região fechou o ano com estoque ativo de 135.495 vínculos de trabalho

São Paulo, 26 de fevereiro de 2019 – O comércio varejista da região de Osasco fechou 164 postos de trabalho em dezembro, resultado de 4.906 admissões contra 5.070 desligamentos. Contudo, o varejo da região finalizou o mês com estoque ativo de 135.495 vagas celetistas, alta de 1,8% em relação ao mesmo período de 2017. Em 2018, 2.396 vagas foram abertas.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Das nove atividades analisadas, três sofreram retração no estoque de vínculos em comparação com dezembro de 2017, com destaque para materiais de construção (-1,5%); e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-0,6%). Por outro lado, os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (5,5%); concessionárias de veículos; e supermercados (ambos com 3,2%) apontaram as maiores variações positivas na mesma base de comparação.

Desempenho estadual
O comércio varejista no Estado de São Paulo segue trajetória de alta pelo quinto mês consecutivo. Em dezembro, 3.965 empregos formais foram criados, resultado de 74.426 admissões contra 70.461 desligamentos. Foi o melhor saldo para dezembro desde 2007, quando se iniciou a série histórica. Com esse desempenho, o setor encerrou o mês com um estoque ativo de 2.101.748 vínculos empregatícios, o maior nível de empregos desde janeiro de 2016, leve alta de 0,6% em relação a dezembro de 2017. No acumulado de 2018, o saldo também foi positivo (12.539 vagas).

No comparativo anual, seis das nove atividades analisadas apontaram crescimento do estoque de empregados em relação a dezembro de 2017, com destaque para os segmentos de farmácias e perfumarias (2,5%); e de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (1,8%). Por outro lado, os setores de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-0,6%); e de materiais de construção (-0,5%) sofreram as maiores quedas na mesma base comparativa.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o varejo paulista segue retomando as vagas perdidas no maior período de crise, entre 2015 e 2016, quando houve um saldo negativo de 106 mil postos de trabalho com carteira assinada. Em 2018, o varejo paulista teve o melhor desempenho anual desde 2014 e o melhor saldo em um ano desde os 12 meses encerrados em janeiro de 2015. Além disso, no terceiro trimestre, a previsão era de cinco mil vagas criadas para o ano de 2018. Por fim, foram mais de 12,5 mil.

Segundo a Entidade, a expectativa é de que esse processo de recuperação das vagas perdidas continue em 2019, visto que os indicadores de confiança e as vendas do setor já apresentaram melhoras em 2018, além de inflação baixa, juros baixos e a própria queda do desemprego. Isso proporcionará um cenário mais atrativo para criação de novos vínculos.

Região de Osasco
Barueri, Caieiras, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Embu, Embu Guaçu, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapecerica da Serra, Itapevi, Jandira, Juquitiba, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana do Parnaíba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra, Vargem Grande Paulista.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados; e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).