Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

17/09/2020

Alternativas de delivery: evite que a greve dos Correios afete as vendas da sua loja

Com possibilidade de entrega rápida, plataformas podem reduzir os danos da greve na logística e no faturamento do e-commerce

Ajustar texto: A+A-

Alternativas de delivery: evite que a greve dos Correios afete as vendas da sua loja

Algumas distribuidoras auxiliam as empresas com o cálculo do frete, por meio de um comparador total de custos
(Arte: TUTU)

A greve dos Correios, de proporções nacionais e que já dura semanas, impõe alguns desafios ao comércio eletrônico. Mesmo que a opção mais difundida de entregas esteja parcialmente comprometida, o empresário ainda precisa manter o ritmo de vendas e a gestão da logística de delivery, para se recuperar da crise financeira. Isso tem gerado grande preocupação entre pequenos empresários do e-commerce, altamente dependentes dos serviços da estatal para suas atividades de logística.

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), atualmente, 90% das lojas virtuais são de micros e pequenos empresários. Quando se leva em conta as vendas informais, realizadas pelas redes sociais, como WhatsApp e Instagram, a proporção é ainda maior. O grande temor entre os comerciantes é a possibilidade de essa greve afastar os clientes e, consequentemente, gerar redução nas vendas.

Confira grandes oportunidades para o comércio eletrônico:
Clientes perdem medo de meios de pagamento digitais e do cashback
Empresas podem usar soluções logísticas criadas especificamente para pequenos negócios
Saiba como montar uma operação de comércio eletrônico em meio à pandemia

Tendo isso em vista, a FecomercioSP separou algumas dicas para auxiliar os empresários a superarem possíveis problemas da greve com mais eficiência. Confira a seguir.

Comunicação transparente – o cliente precisa ser alertado quanto à greve dos Correios e às eventuais mudanças no prazo de entrega e no valor do frete, decorrentes disso. A empresa também precisa avisá-lo de que poderá retirar seu produto em alguma agência dos Correios.

Normalmente, quando a entrega não avança por parte dos Correios, o consumidor recebe uma notificação de que poderá comparecer no local para recolher a encomenda. 

Ainda assim, a empresa deve comunicar esse problema por meio de seus espaços físicos e de seus canais virtuais, em banners na loja, ou no momento em que o cliente for registrar o endereço e escolher a opção de entrega.

Restrições de entrega – a comunicação ao cliente em relação a alguma restrição de entrega no CEP destinatário também é importante para que ele já saiba, de antemão, se precisará retirar a encomenda nos Correios.

Retiradas em lojas físicas – intensifique a integração das lojas físicas com as vendas online por meio da possibilidade de compra de produtos na loja virtual e de retirada em balcões de lojas físicas – procedimento conhecido como pick up store.

Troca de itens – neste período de greve dos Correios, se torna ainda mais importante a preocupação com a política de troca de produtos. Tente facilitar, ao máximo, todo o processo.

Comparação de preços de envio – algumas distribuidoras auxiliam as empresas clientes com o cálculo do frete. Esse é o caso da plataforma Melhor Envio, na qual é possível se ter uma ideia prévia do custo total do envio a partir do endereço do destinatário, do peso e do tamanho do pacote. Essa calculadora compara diversas possibilidades de entregas e seus respectivos valores.

Opções de transportadoras e alternativas de entrega

É fundamental que a empresa busque outras opções para entrega de seus produtos, de modo a não comprometer o funcionamento normalizado e eficiente dos canais de vendas. Confira algumas alternativas disponíveis nesse mercado.

Loggi (serviço que busca motoboys na proximidade para realizar entregas). 

Uello (startup de delivery que conecta a cadeia logística aos pontos de distribuição e aos entregadores disponíveis).

Rappi (com o programa Qualquer Coisa, o aplicativo permite que os produtos possam ser enviados por motoboys a qualquer lugar; os objetos precisam ter as dimensões adequadas à bolsa do entregador).

Mercado Pago (possibilidade de envio gratuito para compras acima de R$ 99, com metade dos custos cobertos pela plataforma).

Fedex (possibilidade de entregas nacionais e internacionais).

B2Log (serviços de delivery para o comércio eletrônico; o benefício do B2Log está na possibilidade de entrega para o mesmo dia).

Mandaê (serviço voltado ao comércio eletrônico; valor mínimo mensal de gasto com frete deve ser de R$ 7 mil).

IS Entrega (entregas e coletas de empresas para lojas, escritórios e consumidores finais).