Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

20/06/2018

Banco Central mantém Selic em 6,5% e confirma fim do ciclo de queda dos juros neste governo, avalia FecomercioSP

Segundo a Entidade, instituição optou pela manutenção da taxa sem correr grandes riscos momentâneos

Ajustar texto: A+A-

Banco Central mantém Selic em 6,5% e confirma fim do ciclo de queda dos juros neste governo, avalia FecomercioSP

País ainda não apresenta as condições de estabilidades fiscal, política e econômica que permitiriam ter taxas de juros em padrões como nos Estados Unidos ou na Europa, abaixo de 2% ao ano
(Arte: TUTU)

O Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Selic em 6,5% e confirmou, por enquanto, a aposta dos mercados de que o ciclo de quedas se encerrou em março, sendo o último deste governo, avalia a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ainda acumula, em 12 meses, menos de 3% e não há indícios de fortes pressões no curto prazo. De qualquer forma, a projeção do BC no boletim Focus para o IPCA está em torno de 3,5% neste ano, o que colocaria a taxa de juros real próxima ao patamar de 3%. Apesar da inflação acumulada em 12 meses ainda estar baixa, o câmbio está pressionado, e o Banco Central optou por manter a Selic sem correr grandes riscos momentâneos, principalmente por se tratar de um ano eleitoral.

Veja também:
Sem reforma da Previdência, reajuste de salário mínimo aumentará gasto público
Crescimento do PIB no 1º trimestre fica acima das expectativas do mercado
Alterações nas regras do cheque especial são positivas, mas sucesso dependerá das instituições financeiras

De acordo com a Federação, o cenário de inflação sob controle a nível de atividade fraco permitiu a redução da taxa de juros, como vinha sendo feito desde 2016. Nesse momento, entretanto, há alguns sinais amarelos que podem justificar o fim do ciclo de quedas da Selic: o quadro internacional é ainda de liquidez elevada, porém é esperado um aumento nas taxas de juros na Europa e nos Estados Unidos, e há uma pressão no câmbio que até agora não está bem esclarecida e não deixa o BC confortável no longo prazo. A alta do dólar tem se mantido por muito tempo e aumentam as possíveis pressões inflacionárias vindas de fora do País.

A Entidade enfatiza que a paralisação de caminhoneiros complicou ainda mais o cenário econômico, gerando diversos efeitos negativos, como a redução da confiança do consumidor e alta momentânea nos preços de alimentos, além das incertezas nos ambientes social e político.

Outro fator limitador para que o Brasil tenha taxas de juros reais de 0% a 1% como em países desenvolvidos, é a situação fiscal, que, apesar de uma trajetória melhor do que tinha no passado recente, ainda inspira cuidados.

A FecomercioSP, que sempre apoiou todo o processo de redução de juros, espera que, no médio prazo, o País termine de fazer seu ajuste fiscal, permitindo não só a queda mais acentuada da taxa, como também impedindo que em 2019 o Brasil tenha que passar por outro ciclo de alta da Selic. O País ainda não apresenta, infelizmente, as condições de estabilidades fiscal, política e econômica em geral que permitiriam ter taxas de juros em padrões como nos Estados Unidos ou na Europa, abaixo de 2% ao ano. A Entidade ressalta ainda é possível que estejamos caminhando para isso, a depender da maturidade política que vai definir, por sua vez, o futuro da economia brasileira.