Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

22/10/2014

Café da manhã fora de casa custa mais caro para o paulistano

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 23 de outubro de 2014 - Um simples cafezinho na padaria tem saído mais caro para o paulistano. De acordo com o Índice de Preços dos Serviços (IPS) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), da região metropolitana de São Paulo, 91% dos serviços, segmentados em 66 grupos, sofreram incremento nos últimos doze meses.

O preço dos hotéis atingiu a maior variação entre os serviços avaliados, com aumento de 18,7%, seguido do café da manhã fora de casa com aumento de 15,1%. A alta do valor decorre principalmente do aumento dos produtos que compõem o serviço. O produto "cafezinho" acusou alta de 14% no período, e o pão francês recorrentemente tem seu preço elevado em virtude da constante necessidade de uso de trigo importado como matéria-prima.

A energia elétrica residencial obteve alta acumulada de 14,9% no período. Segundo a Federação, esse é um dos itens que deve custar ainda mais caro em 2015, já que os custos com a produção de energia também sofreram elevação. Outros aumentos relevantes observados no IPS da região metropolitana de São Paulo foram serviços de pet shop (14,1%) e consultas médicas (13,3%).

Apenas seis serviços encerraram o período acumulando variação negativa: clube (-0,15%), boates e danceterias (-2,4%), locação de DVDs (-4,6%), passagens aéreas (-7,4%), telefone fixo (-11,5%) e taxas de água e de esgoto (-26,4%).

A Entidade alerta, ainda, para a possibilidade de alta nos serviços ligados à habitação, principalmente energia elétrica e transporte. Também indica que o preço dos alimentos deve voltar a crescer, principalmente os da carne e dos derivados do leite. Apesar da desaceleração do ritmo da atividade econômica, a Federação conclui que os preços ainda se manterão distantes da meta inflacionária.