Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Sustentabilidade

02/09/2020

Com aumento na tarifa de água, autoleitura da conta é alternativa para estabelecimentos que têm consumido menos na pandemia

Empresas que funcionam em horário reduzido ou em dias alternados podem receber a conta com valor acima do utilizado caso sejam cobradas pela média de consumo dos últimos seis meses

Ajustar texto: A+A-

Com aumento na tarifa de água, autoleitura da conta é alternativa para estabelecimentos que têm consumido menos na pandemia

Além disso, empresas e a população em geral estão com dificuldades em absorver o aumento das tarifas de água
(Arte: TUTU)

Os comerciantes, que precisam receber a conta de água mensal atualizada, podem fazer a leitura de hidrômetros de forma autodeclarada (autoleitura), a fim de impedir que o valor cobrado esteja acima do realmente consumido nos estabelecimentos. É que, por causa da pandemia de covid-19 e do risco de contágio, o leiturista da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) só pode acessar o registro localizado no interior do imóvel com autorização do cliente e, caso isso não ocorra, a conta será emitida pela média de consumo dos últimos seis meses.

Isso quer dizer que as empresas que permanecem sem atendimento ao público – ou que funcionam em horário reduzido ou ainda em dias alternados por causa das regras do período de quarentena – podem receber a conta de água com valor acima do utilizado se ela for calculada pela média.

Confira outras maneiras de atenuar os prejuízos da crise:
Distribuidoras de energia elétrica já podem cortar o fornecimento do serviço por falta de pagamento
Simule seu gasto com luz e conheça a melhor opção para sua empresa
Consumidor de alta tensão afetado pelo covid-19 terá de negociar contratos de demanda; ouça

Além disso, a conta de água está mais cara nas cidades atendidas pela Sabesp e por outras empresas de saneamento básico do Estado de São Paulo, desde 15 de agosto. Ocasião em que a elevação de até 3,4% foi aprovada pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp). Tal reajuste, para os usuários comerciais, difere em cada região do Estado e vem sendo prorrogado desde o dia 10 de maio.

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a prorrogação do aumento foi benéfica para as empresas e a população em geral. Porém, ainda será difícil absorver este aumento, pois a suspensão de várias atividades econômicas afetou financeiramente as empresas, principalmente os micros e os pequenos negócios.

Vale lembrar que todos os clientes da Sabesp podem parcelar os débitos em até dez vezes. Para isso, os donos dos estabelecimentos devem entrar em contato com a empresa pelos canais de atendimento disponíveis na conta de água.

Autoleitura

O trabalho dos técnicos que fazem a leitura dos hidrômetros permanece sem alteração para os medidores instalados com acesso pela rua. Mas no caso da autoleitura, as empresas prestadoras do serviço deveriam ter disponibilizado até 8 de agosto meios para que os usuários informem a leitura do próprio medidor, além de informação clara e de fácil compreensão aos usuários sobre o procedimento de autoleitura adotado.

Segundo a Arsesp, para as classes não residenciais, em caso de a empresa prestadora dos serviços de água e esgoto não realizar a leitura, e não disponibilizar  os meios para que estes usuários informem a autoleitura, o faturamento deverá ocorrer pelo consumo mínimo. No entanto, a SABESP disponibilizou um hotsite “Sabesp Fácil” disponível em sabesp.com.br. Informações completas para acesso em http://site.sabesp.com.br/site/imprensa/noticias-detalhe.aspx?secaoId=66&id=8378 

Desta forma, os empresários devem ficar atentos à conta de consumo de água: verificar em qual classe de consumo estão enquadrados e se a empresa fornecedora de água fará a leitura do hidrômetro.