Editorial

30/01/2018

Com Gianecchini e Tozzi, peça “Os Guardas do Taj” fica em cartaz até 1º de abril no Teatro Raul Cortez

Atores destacam que história baseada em uma lenda sobre o Taj Mahal leva à reflexão sobre o processo de nossas escolhas e nos conduz a questionamentos sobre os conceitos de amizade e dever

Com Gianecchini e Tozzi, peça “Os Guardas do Taj” fica em cartaz até 1º de abril no Teatro Raul Cortez

Os soldados têm personalidades diferentes e ambos precisam proteger o monumento durante sua construção
(Arte: TUTU)

Foi prorrogada a temporada da peça Os Guardas do Taj no Teatro Raul Cortez, na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), para até o dia 1º de abril.

Coração e razão se enfrentam e se complementam na trama que se passa na peça. O texto do americano Rajiv Joseph, traduzido e adaptado por Rafael Primot, conta a trajetória do guarda Babur, vivido por Ricardo Tozzi, e Humayun, interpretado por Reynaldo Gianecchini. Os soldados imperiais de baixa patente têm personalidades diferentes, embora ambos exerçam a mesma função: a de proteger o Taj Mahal, na Índia, durante sua construção.

Veja também:
Famosos e fãs prestigiam Gianecchini e Tozzi na estreia do espetáculo “Os guardas do Taj” no Teatro Raul Cortez
Aos 20 anos de carreira, Gianecchini desiste de ano sabático para atuar em “Os Guardas do Taj”

Os dois são proibidos de olhar para o monumento antes da inauguração, e a forma como cada um lida com as ordens dadas pelos seus superiores põe em xeque até que ponto devemos ser obedientes. A história é baseada numa das muitas lendas que cercam o monumento e nos conduz a questionamentos sobre os conceitos de amizade e o dever.

“A peça fala de muitas coisas, e a mais importante e mais atual é essa reflexão sobre de onde vem as nossas escolhas, sobre como a gente está escolhendo fazer as coisas: de acordo com o nosso desejo e a nossa verdade ou de acordo com o que propuseram para a gente?”, indaga Gianecchini.

O ator acredita que os personagens farão o público pensar sobre a importância das decisões que tomamos. “As nossas escolhas têm consequências que muitas vezes são pesadas, difíceis, principalmente, quando elas não vêm do nosso coração”, diz Gianecchini.

Para Tozzi, o assunto levantado é pertinente, pois se contrapõe à vivência do mundo contemporâneo. “Somos estimulados a absorver o que vem de fora e em nenhum momento alguém te estimula a olhar para dentro e saber quem você é”, reflete.

A peça passou por diversas cidades portuguesas antes de chegar ao Brasil. A estreia ocorreu em Braga, no Theatro Circo. O espetáculo sob a direção de João Fonseca tem duração de 75 minutos e classificação etária de 12 anos. Os ingressos (preço inteiro) custam R$ 60 às sextas, R$ 80 aos sábados e R$ 70 aos domingos e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pelo site Compre Ingressos.

Serviço
Data: de 13 de janeiro até 1º de abril de 2018.
Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 18h.
Ingressos: sexta, R$ 60; sábado, R$ 80; e domingo, R$ 70.
Teatro Raul Cortez – Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – Bela Vista, São Paulo (SP).
*Nos dias 9, 10 e 11 de fevereiro (final de semana de Carnaval), não haverá apresentação do espetáculo.