Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Legislação

28/10/2020

Com LGPD, empresas terão de ganhar a confiança do titular dos dados

Rony Vainzof, consultor da FecomercioSP e especialista no tema, comenta importância de adaptação à nova lei; ouça

Ajustar texto: A+A-

Com LGPD, empresas terão de ganhar a confiança do titular dos dados

Especialista ainda explica o que é dado pessoal e fala dos papéis do controlador e do operador
(Arte: TUTU)

O desenvolvimento de uma cultura de privacidade, por meio da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), tem total apoio da população, conforme aponta Rony Vainzof, consultor da FecomercioSP e especialistas no tema. No podcast da Federação, publicado nesta quarta-feira (28), ele fala, no primeiro episódio de três sobre o assunto, dos principais pontos da Lei 13.709, de 2018, e da importância de as empresas se ajustarem às mudanças.

“Nós, como indivíduos, cobramos mais as organizações públicas e privadas do uso ético e responsável em relação aos nossos dados pessoais. Com isso, deve ficar fixado que um dos principais objetivos que a LGPD traz é de que as organizações precisam adquirir a confiança do titular dos dados, porque cada vez mais vamos escolher as empresas de acordo com o uso ético e seguro destes dados”, explica Vainzof.

Saiba mais sobre LGPD: 
Lei de Proteção de Dados já está em vigor; saiba como adequar sua empresa
Empresas buscam se adaptar às novas regras de proteção de dados no Brasil 
Pedir dados dos clientes requer mais atenção com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

Além disso, evitar sanções administrativas, que passam a valer em 1º de agosto de 2021, e estar de acordo com padrões internacionais de segurança são alguns outros benefícios de seguir a legislação. “A LGPD traz mais segurança jurídica porque ela harmoniza e atualiza conceitos antes esparsos em várias outras normas nacionais, como o Código de Defesa do Consumidor, o Marco Civil da Internet e a Lei de Cadastro Positivo. Além disso, quando uma organização se adapta à LGPD, ela praticamente está se adequando a outras legislações existentes em outros países”, ressalta Vainzof, ao lembrar que a legislação é inspirada na Regulamentação Europeia de Proteção de Dados (GDPR).

Na entrevista, o especialista ainda explica o que é dado pessoal e fala dos papéis do controlador e do operador. Para entender na prática como aplicar a LGPD nas empresas, a Opice Blum Academy, em parceria com a FecomercioSP, realiza, nos dias 26 e 27 de novembro, um curso para capacitar e atualizar os profissionais que lidam com dados pessoais. Serão oito horas de imersão com instrutores que lidam diariamente com questões práticas, consultivas, contenciosas e de adaptação à lei.

O time de instrutores que comandará o curso é formado pelos especialistas Rony Vainzof, Tiago Neves Furtado, Camilla Jimene e Caio Lima. Não perca!

Inscreva-se aqui.

Ouça o podcast

O programa também está disponível no Spotify no Apple Podcasts.