Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

08/02/2015

Comerciante paulistano inicia 2015 menos confiante, aponta FecomercioSP

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 9 de fevereiro de 2015 - O comerciante paulistano iniciou o ano menos confiante no cenário econômico atual e no futuro do setor, e com menor disposição para investir. É o que aponta o Índice de Confiança do Empresário do Comércio no Município de São Paulo (ICEC), que registrou queda de 2,8% ao passar de 102 pontos em dezembro para 99,1 pontos em janeiro. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a queda foi maior: -17%, confirmando a deterioração da confiança do empresário do comércio paulistano desde 2013.

O indicador varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total) e é medido mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Neste mês, o ICEC registrou percepções menos otimistas em seus três componentes.

A maior queda foi verificada no Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (IEEC), componente que vinha obtendo a maior variação positiva do indicador. A retração foi de 4%, passando de 140,2 pontos em dezembro para 134,6 pontos em janeiro.

Houve recuo também na propensão a investir, mensurado pelo Índice de Investimento do Empresário do Comércio (IIEC), cujo decréscimo foi de 2,2% ao passar de 97,9 pontos em dezembro para 95,7 pontos em janeiro.

O sentimento de insatisfação dos empresários em relação ao momento atual seguiu persistente, como demonstra a queda de 1,3% no Índice de Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC), que passou de 67,9 pontos em dezembro para 67 pontos em janeiro.

Na análise por porte, o maior impacto veio das empresas com menos de 50 empregados, que reduziram a confiança em 3%. Em relação a janeiro do ano passado, todos os resultados foram bastante negativos: quedas de 17% na confiança dos pequenos e de 19,4% dos grandes empresários.

Para a FecomercioSP, é uma indicação de que a percepção geral, tanto de grandes como de pequenos empresários, é de que a atual situação é muito pior do que se poderia antecipar no início de 2014.

A assessoria econômica da Entidade destaca que há indícios de um período de insegurança por parte dos empresários, especialmente porque essa tendência tem se repetido desde 2013. Dessa forma, o sentimento de pessimismo parece predominar na passagem de dezembro para janeiro. O resultado da pesquisa demonstra que a queda do indicador está diretamente relacionada à desaceleração do nível de atividade econômica, em que a queda no ritmo de crescimento das vendas do varejo e a persistência da inflação continuam abalando a confiança dos empresários do comércio quanto ao ciclo do consumo ao longo do ano.

Contudo, a FecomercioSP acredita que, feitos os ajustes macroeconômicos necessários - principalmente com cortes de despesas e não com aumento de impostos -, 2015 será desafiador, mas resultará em perspectivas mais positivas para os próximos anos.

Nota metodológica
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla as percepções do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País. São entrevistas com 600 empresários na capital, em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados). As questões agrupadas formam o ICEC, que por sua vez pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.