Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

14/05/2018

Comércio varejista da região do ABCD eliminou 184 vagas celetistas em fevereiro

Segundo a FecomercioSP, setor encerrou o mês com um estoque total de 110.049 trabalhadores formais, alta de 0,5% em relação a fevereiro de 2017

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 14 de maio de 2018 – O comércio varejista da região do ABCD voltou a eliminar vagas celetistas em fevereiro. No mês, 184 postos de trabalho foram encerrados, resultado de 3.882 admissões contra 4.066 desligamentos. No acumulado de 12 meses, no entanto, o setor registrou 557 novos empregos com carteira assinada. Desta forma, a região encerrou o mês com um estoque total de 110.049 trabalhadores formais, alta de 0,5% em relação a fevereiro de 2017.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Das nove atividades pesquisadas, quatro registraram retração no estoque de trabalhadores formais em relação a fevereiro do ano passado. Os destaques negativos foram do setor de lojas de móveis e decoração (-3,4%); e de outras atividades (-1,3%). Por outro lado, os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (3,6%) e de farmácias e perfumarias (1,9%) registraram as maiores taxas de crescimento na mesma base comparativa.

Desempenho estadual
O comércio varejista do Estado de São Paulo voltou a eliminar vagas formais pelo segundo mês consecutivo. Em fevereiro, 5.858 empregos celetistas foram extintos, resultado de 70.351 admissões e 76.209 desligamentos. Com isso, o estoque ativo do setor atingiu 2.065.477 vínculos com carteira assinada, leve alta de 0,1% na comparação com o mesmo mês de 2017. No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo foi positivo em 3.014 vagas.

Em fevereiro, entre as nove atividades pesquisadas, cinco apresentaram redução no estoque de trabalhadores no comparativo com o mesmo mês de 2017, com destaque para as lojas de móveis e decoração (-1,8%); e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,6%). Por outro lado, os melhores desempenhos ficaram por conta dos segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (2,8%); e de farmácias e perfumarias (2,3%).

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o resultado de fevereiro foi pior do que o observado no mesmo mês de 2017 – quando 4.068 vínculos formais foram extintos – porém, vale ressaltar que o número de temporários contratados para o fim do ano também foi maior. A Entidade já esperava um desempenho negativo nesse início de ano, já que, após o Natal, é natural um ajuste no quadro de funcionários.

A Federação destaca que, mais uma vez, praticamente não houve efetivação dos temporários. Isso demonstra que o empresário ainda não possui otimismo ou capacidade suficientes para aumentar perenemente seu quadro funcional, por mais que a expectativa para 2018 seja de alta nas vendas do setor.

Região do ABCD
Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamentos; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados; e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).