Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

21/08/2020

Como reduzir custos e aumentar o lucro no meio de uma pandemia?

Plataformas de gestão e cooperativas de crédito são boas opções para a sua empresa; temas foram discutidos no terceiro e último dia do evento “O Caminho Seguro para a Retomada”

Ajustar texto: A+A-

Como reduzir custos e aumentar o lucro no meio de uma pandemia?

vento reuniu especialistas para trocar experiências sobre boas práticas para superar a crise econômica
(Arte/Tutu)

Em uma situação difícil para os negócios, como a que estamos vivendo atualmente, os empreendedores devem agir em duas frentes: arrumar a casa, realizando uma gestão que reduza custos e aprimore os procedimentos internos, e buscar crédito, para conseguir pagar as contas e se manter financeiramente saudável.

Esses foram os temas das duas lives desta sexta-feira (21), terceiro e último dia do evento “O Caminho Seguro para a Retomada”, organizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Saiba como foram o primeiro e o segundo dia de lives
O segredo contra a crise: como inovar nos mercados de saúde e de turismo e ter acesso fácil a crédito em fintechs
Não espere a pandemia acabar! Analise o comportamento do consumidor e crie seu diferencial

No painel “Agilizando a Gestão em Tempos de Crise”, o coordenador de marketing do Bling, Guilherme Minuzzi, ressaltou como sistemas de gestão podem melhorar o dia a dia das pequenas e médias empresas. Segundo ele, em função da competição acirrada para ganhar mercado, o desafio das empresas é criar uma operação eficiente, que permite reduzir custos e aumentar o lucro.

“Uma série de problemas derivam da má gestão. Um recorrente é o de controle de estoque. É muito comum quem não utiliza um programa de gestão não ter um estoque organizado”, assegura Minuzzi. “O segundo ponto é a questão financeira. O mau controle financeiro não permite que você planeje os seus investimentos. E o empreendedor tem que pensar não só no faturamento e no volume de vendas, mas no lucro”, complementa.

 

Como alternativa às típicas promoções para desovar o estoque, uma recomendação de Minuzzi é ofertar kits formados por um produto mais vendido com outro de pouca saída – como um mouse e um mousepad, respectivamente –, assim, elevando o tíquete médio da venda.

De qualquer modo, o coordenador de marketing salienta que as empresas têm muito a ganhar ao investirem em plataformas de gestão integrada. As ferramentas permitem cadastrar clientes, fornecedores e produtos, gerenciar estoques, emitir notas fiscais e códigos de rastreio de itens vendidos por meio do comércio eletrônico, entre outras funções. “Com a plataforma de gestão, as empresas deixam de levar 15 minutos para emitir uma nota para 40 segundos”, frisa Minuzzi.

Empréstimo com cooperativas

A dificuldade em obter crédito junto às instituições financeiras tradicionais é uma das principais queixas dos empreendedores em meio à crise gerada pela pandemia de coronavírus. Com isso, a live “Cooperativas: Uma Boa Opção de Crédito?”, que encerrou o evento, apresentou uma alternativa para as empresas que buscam empréstimos.

A gerente de desenvolvimento de crédito do Sicredi, Ana Carrera, destacou que a instituição trabalha com o mesmo portfólio de produtos e serviços dos bancos. “A diferença é o relacionamento mais próximo. No banco, o tomador de crédito é cliente. Conosco, ele é um parceiro. Nosso interesse é no desenvolvimento financeiro do associado”, explicou.

 

Ana esclareceu que, na negociação de crédito com o Sicredi, a questão mais importante é a capacidade de pagamento do tomador do empréstimo.

“No Sicredi, além do crédito, temos um modelo muito diferente. Em pesquisa de mercado recente, foi apresentada uma diferença de 30% nas nossas taxas e tarifas em comparação com as dos bancos. Acredito que seja por conta do nosso modelo. O banco tem a pressão dos acionistas para apresentar lucro. Numa cooperativa, isso não acontece, somos uma sociedade de pessoas, o nosso foco está no crescimento dos nossos associados em conjunto com a nossa parceria”, salientou a gerente da instituição.

Na mesma live, Kelly Carvalho, assessora econômica da FecomercioSP, indicou que, neste momento, o empreendedor deve se preocupar em implementar um planejamento financeiro direcionado a cortar gastos, ter recursos em caixa e evitar a inadimplência.

“Se o empreendedor está pegando crédito para essas coisas, ok. Agora, não pode se desvirtuar e acabar se endividando além da conta. Por isso, faça uma lista das principais despesas, renegocia contratos e evite demissões precipitadas, pois o custo da demissão é alto”, resumiu a assessora da Entidade.

O Caminho Seguro para a Retomada

O evento “O Caminho Seguro para Retomada” reuniu especialistas em lives sobre três diferentes frentes: a inovação dos negócios, a gestão empresarial para a retomada e o acesso ao crédito para a sustentabilidade financeira – fatores essenciais, neste momento, à permanência de qualquer negócio no mercado.

A iniciativa da FecomercioSP teve como objetivo orientar e facilitar a vida do empresário nesse período de crise em que a disseminação de conteúdo e informação e a troca de experiências são vitais para a manutenção dos negócios.

Os encontros virtuais ocorreram entre os dias 19 e 21 de agosto e você pode revê-los no YouTube da FecomercioSP.