Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

20/08/2020

Não espere a pandemia acabar! Analise o comportamento do consumidor e crie seu diferencial

Cases de sucesso e dicas práticas marcaram primeiro dia de lives do evento “O Caminho Seguro para a Retomada”

Ajustar texto: A+A-

Não espere a pandemia acabar! Analise o comportamento do consumidor e crie seu diferencial

Especialistas trazem orientações valiosas nesse momento; confira!
(Arte: TUTU)

Por Priscila Trindade

A crise gerada pela pandemia de covid-19 balançou o ambiente empresarial que busca se reinventar para se reaproximar de muitos clientes que deixaram de estar nas ruas para ficar em casa. Neste momento de mudança de paradigma, as empresas ainda têm de lidar com outras dificuldades: como manter o caixa, o bom relacionamento com os fornecedores e com a equipe de trabalho, entre outras. Esses temas foram debatidos no primeiro dia do evento "O Caminho Seguro para a Retomada", realizado pela FecomercioSP, nessa quarta-feira (19), em transmissões que ocorreram em três horários distintos, às 14h, 18h e 19h30.

Na live “E agora? Como Fica a Gestão da sua Empresa?”, Sandro Magaldi, expert em gestão estratégicas e vendas, autor do best-seller “Gestão do Amanhã” e cofundador da plataforma meusucesso.com, reforça que atualmente o cliente está em casa, seja cumprindo isolamento social ou no modelo de home office, e essa alteração indica a existência de uma demanda por experiências. Para ele, cabe aos empresários pensarem em como preencher essa lacuna.

Saiba como traçar um caminho seguro para a retomada dos negócios
Como fazer uma boa gestão empresarial em meio à pandemia de covid-19?
Boas práticas e ações sociais evidenciam valores de empresas na pandemia
Pós-pandemia exigirá novo papel das empresas para conquistar consumidores
Consumo das gerações: construa o perfil de clientes cada vez mais diversificados

“O ponto fundamental envolve uma mudança de pensamento sobre como encarávamos os negócios antes e agora. Os clientes não sumiram, eles apenas não estão indo ao seu ponto de venda. Então, não basta só criar um e-commerce ou ir para o marketplace. A questão é: como gerar uma experiência importante para esse consumidor que deixou de ir à loja física como antes, e como se relacionar de uma forma apropriada com esse cliente que está cada vez mais digitalizado?”, afirma Magaldi.

Ainda de acordo com o especialista, empresas que ficaram com os espaços físicos vazios e sem muitos pedidos no delivery alteraram o portfólio para atender as pessoas que passaram a consumir mais em casa. Há exemplos de petshop, pizzaria e até agência de turismo que buscaram parcerias para agregar valor a um novo produto ou a um já existente. Tudo para chegar até o consumidor com uma novidade.

Inovação

“Inovação pode demandar investimento mais alto ou mais baixo, mas o mais importante é pensar em diferentes alternativas. A tecnologia é meio, não é fim. A inovação é um sistema que envolve mais complexidade do que a gestão rotineira do negócio, mas hoje esse é o grande imperativo estratégico. Você tem que encontrar a inovação do tamanho que você suporta”, explica.

Além de procurar ter um modelo de negócios mais adequado nesse novo ambiente marcado pela comodidade, o economista e assessor técnico da FecomercioSP, Guilherme Dietze, ressalta a importância de manter os funcionários por dentro de todas as mudanças para que eles possam atender os clientes da melhor maneira possível. “Sem um produto de qualidade, um bom atendimento e clareza na informação, dificilmente a empresa vai ter sucesso no negócio. Percebo que muitas vezes o empresário se comporta como se tudo dependesse só dele e esquece do intermediário, que é o funcionário. Essa pessoa está ligada diretamente ao consumidor e, por isso, deve receber todas as informações do proprietário da empresa”, diz.

Relação transparente com fornecedores

Essa relação de transparência com o funcionário e com o cliente deve ser estendida ao fornecedor, conforme ressalta o fundador e CEO da empresa Nutriens, Henrique Castan, na live “O Poder da Reinvenção”. Ele explica que os clientes, tanto avulsos quanto os assíduos, têm grande exigência na compra online de alimento in natura e o contato com o fornecedor pode dificultar ou facilitar uma oferta de qualidade ao comprador.

“O consumidor tem uma expectativa com o produto orgânico três vezes maior do que com o produto tradicional porque ele paga mais caro sem ser possível, em geral, constatar a diferença visualmente. Logo, o relacionamento com o fornecedor é o primeiro passo para ter produtos de qualidade e, com isso, fidelizar o cliente”, afirma Castan.

Essas dicas importantes do CEO da Nutriens sobre fornecedores e muitas outras, como gestão de estoques e relacionamento com o cliente, podem ser conferidas no YouTube da FecomercioSP. Se você perdeu alguma das lives do evento ou deseja vê-las novamente, pode assistir a todas aqui.

A verdadeira transformação

Se uma boa relação com o fornecedor permite que o produto chegue com a melhor qualidade ao cliente e dentro do tempo esperado, esse contato também permitiu a renegociação de contratos para os empresários que se viram sem meios de levar adiante o cronograma feito antes do início da pandemia. Esse quesito foi analisado pela associate manager da Falconi, empresa líder em consultoria de gestão no Brasil, Flávia Maia, na live "Gestão Transformadora na Crise".

Na conversa, ela ainda fala da necessidade de tomar decisões rápidas e de repensar algumas culturas da empresa, como a da procrastinação, que impediram ou retardaram o ingresso de alguns negócios no meio digital. “Em um momento como esse, a maior parte das empresas paralisa os investimentos, mas é preciso olhar os projetos que a empresa tinha antes da crise para saber o que deve ser postergado e, eventualmente, o que deveria ser acelerado para que a empresa tenha condição de competir agora ou na saída da crise”, diz Flávia.

A partir de agora, a especialista avalia que, independentemente da empresa ter entrado na crise mais ou menos vulnerável em função da maturidade do negócio e do caixa, é preciso se preparar para recompor o patamar de estoques assim que vir os principais sinais da retomada. “A gente vai ter cada vez mais um ritmo de transformação acelerada e os empresários terão de se perguntar ‘o que eu tiro disso tudo e como preparo a companhia para enfrentar outros momentos turbulentos de uma maneira mais tranquila?’”, recomenda Flávia.

O Caminho Seguro para a Retomada

O evento “O Caminho Seguro para Retomada” reúne especialistas em lives sobre três diferentes frentes: a inovação dos negócios, a gestão empresarial para a retomada e o acesso ao crédito para a sustentabilidade financeira – fatores essenciais, neste momento, à permanência de qualquer negócio no mercado.

A iniciativa da FecomercioSP tem como objetivo orientar e facilitar a vida do empresário nesse período de crise em que a disseminação de conteúdo e informação e a troca de experiências são vitais para a manutenção dos negócios. 

Os encontros virtuais ocorrem até esta sexta-feira (21), em horários variados. Cadastre-se aqui para conferir a programação completa e se inscrever.